fbpx

Como ganhar dinheiro com a infelicidade alheia

Como ganhar dinheiro com a infelicidade alheia

Associo a capacidade de empreender a uma espécie de dom artístico. Para criar tanto um serviço ou produto que as pessoas queiram usar quanto uma peça de arte, precisamos falar sobre dor.

A arte existe para nos conectar com nossa humanidade. Porque estamos perdidos em um mundo caótico e não sabemos muito bem o que fazer. O empreendedorismo, por sua vez, virou uma espécie de culto. Todo mundo fala sobre, organizam grandes eventos, oferecem investimento, criam espaços de coworking. Aí Alain de Botton, um filósofo “pop” – que já estudou da religião à arquitetura – vem dizer que empreender alude a um conceito tanto abstrato: “insights precisos sobre as causas da insatisfação humana”.

Você já deve ter lido por aí que muita gente tem uma ideia e depois procura um “problema” que ela possa resolver. O certo, pregam, seria primeiro achar um problema. E então quebrar a cabeça.

Sim, é uma tarefa difícil. A gente tende a pensar que já existe de tudo no mundo. A verdade é que, com tanta coisa louca nesse mundo pós-moderno para nos deixar infelizes, boas ideias vão continuar surgindo.

Um exercício interessante pode ser olhar para própria vida. O que te aborreceu hoje? Foi a briga com o namorado? O trânsito? A sucessão de noites mal dormidas? O filho que não quer fazer a lição? A insegurança para mudar de carreira? O estresse de viver em um mundo que corre rápido demais?

E a sua família? E os seus amigos? Sofrem por essas mesmas coisas? Quais os problemas deles? E os das pessoas menos privilegiadas que você? Talvez aí esteja uma oportunidade de negócio.

0

Melina França

Odeia suas mini-biografias. Acha que está em construção e ainda não sabe quais as informações mais importantes que uma assinatura deve trazer. Por via das dúvidas, estudou jornalismo e, depois de formada, tomou gosto por marketing, empreendedorismo, branding e o relacionamento entre empresas e cidadãos. Começou, então, a colaborar com a startup de amigos, o Dujour. Já escreveu argumento de histórias em quadrinhos, filmou documentário, foi atriz numa companhia de teatro independente, fez bico de estátua viva e mantém o blog secreto de adolescente onde escrevia histórias de amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *