fbpx

Errar é humano. Mas existem limites para o erro?

Errar é humano. Mas existem limites para o erro?

A palavra “Humano” vem do latim “humanus”. Como adjetivo, essa palavra pode ter como significado a bondade, a generosidade, a compreensão e a tolerância. Sabemos que o que distingue o ser humano dos outros animais é a racionalidade, já que possui capacidade mental e habilidade para desenvolver e adquirir conhecimento.

No mundo corporativo existem duas realidades em relação ao aprendizado, que são: a obsessão pela perfeição, considerada um vício; e a busca pela perfeição, que é visto como virtude. Algo que ajuda nesse processo é a missão da empresa, ou quando levamos para o pessoal, nossa missão de vida.

Por que? É muito simples explicar: durante o processo do acerto, que vai moldar o nosso comportamento, nos deparamos com os erros e as fraquezas. É nesse momento que precisamos saber ganhar e perder; reconhecer e aprender com o erro. Através do diálogo interno, podemos identificar o que precisa ser mudado, corrigido. Isso é muito mais importante do que as observações vindas de fora, feitas por outras pessoas.

Já ouviu aquele ditado que diz: “Errar é humano. Repetir o erro é burrice”? Pois bem, quando temos consciência dessa “burrice”, estamos usando de uma sabedoria Socrática, “Só sei que nada sei”. Quando temos consciência interna do nosso erro, estamos abrindo espaço em nossa mente para o aprendizado, para o novo.

Como apontar o erro de forma construtiva e criativa?

Acredito que essa seja a melhor forma de abordar um erro, uma vez que se isso for feito de forma inadequada, pode ser algo desastroso, bloqueando a mente do indivíduo fazendo com que ele tenha medo de errar e seja punido. Aí, a criatividade já era.

Os elogios, fortalecimento dos pontos positivos do sujeito/ação, é uma ótima estratégia, pois assim estarão mais receptivos para ouvir as observações, sentindo-se confortável. Receber a crítica com medo, faz com que fiquemos reprimidos, tendo a sensação de incompetência.

E com as marcas? Como funciona?

A empresa optou em produzir conteúdo humanizado e tem uma personificação no ambiente online? Independente da resposta ser sim ou não, a regra é clara: Errou, reconheça! Peça desculpas, contorne a situação.

Já passou por alguma situação onde o reconhecimento do erro serviu para o seu aperfeiçoamento? Compartilha com a gente!

0

Alison Marques

Viciado em compartilhar conhecimento. É Especialista em Linguagens e Mídias Digitais, jornalista, palestrante e social media.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *