fbpx

Empreendedorismo de Facebook – que ideia é essa?

Empreendedorismo de Facebook – que ideia é essa?

O Facebook é a rede social com mais de 1 bilhão de usuários no mundo, utilizada por pessoas de diversas classes e preferências, e curiosamente presente em grande parte das conversas diárias. Frases como: ‘tu tinha que ler o que postei pra fulano hoje’ ou ‘eu vi no Face que pode sim comer manga e tomar leite’ são muito frequentes, e com isso notamos a facilidade de encontrar negócios empresariais nessa rede. Com a tranquila aceitação dos usuários e a grande interação pessoal, autônomos e aspirantes instalaram suas matrizes através das páginas e sonham com suas filiais fora delas.

Quero dissertar sobre as empresas que começam na internet, pessoas que se tornam profissionais autônomos no conforto de casa, e tem ideias diferentes e entendem assim, como funciona fazer negócios rápidos, dando informações simples e completas sobre os produtos ou serviços. O que chamo de Empreendedorismo de Facebook é a inserção da criativa e variada massa empresarial na rede, gerando negócios com a mesma facilidade com que se fazem amigos. Esses recentes profissionais estão de frente com a facilidade de comunicação e disponibilidade de horários. Misturando assuntos, podendo abranger públicos específicos e gerais.
São aqueles que simplesmente pensaram bastante com o que gostariam de trabalhar, e resolveram jogar isso na rede, obtiveram atenção e prosseguiram com o projeto, lançaram suas ideias e criaram um grande negócio: com produtos, com serviços, com força de vontade e sabedoria para conquistar o público. Nesse ‘negócio’, a simplicidade agregada com a força da interação on-line ganha vez.

Exemplos de Empreendedorismo de Facebook:

– Revenda de roupas de determinado estilo e marca através de página, com atualizações diárias, sugestões de look e dicas de moda;

– Grupos municipais ou estaduais de troca ou venda: envolve diversas ofertas, desde casas até objetos de uso pessoal;

– Brechós on-line: com venda de peças de roupas e sapatos usados, mas em bom estado;

– Divulgação de loja física, antes de a mesma estar com as portas abertas: inovando nas ações, e interagindo com o público alvo para causar ‘bochicho’.

E o curioso dessa teoria é que muitos empreendedores de Facebook não possuem loja física, mas conseguem alcançar um grande número de clientes e usuários fiéis às novidades e prontos para interagir diariamente.

Cito então algumas qualidades desses empreendedores:

– Inspiram-se em cases de sucesso: sempre tem alguma empresa, instituição ou pessoa em que se baseiam, ou alguma ideia que gostaram e aplicaram em seu negócio adequando a área atuante;

– São corajosos e pisam fora da zona de conforto: mesmo com apenas 100 seguidores (iniciais), fazem postagens e ofertas como se estivessem sendo vistos por 1 milhão (e pensando assim, logo serão, não é?);

– Sabem quem é o target principal e entendem o que eles esperam aparecer no Feed de Notícias para curtir, compartilhar e negociar;

– Consolidam o negócio e não abandonam o contato com o cliente;

– Muitos preferem ficar somente na rede, mas alguns pensam adiante: constroem lojas físicas, montam projetos que envolvem a comunidade, etc.

Minha teoria sobre Empreendedores de Facebook se deu com a grande quantidade de negócios que consigo fazer através da rede, e as pequenas e importantes anotações que fiz sobre alguns desses profissionais que vestiram a camisa do comprometimento, abriram o coração e fazem sucesso em vendas, mesmo que somente em seus bairros, cidades e estados. São sonhadores que entenderam a facilidade de se comunicar on-line e usaram isso a seu favor, inaugurando negócios que poderiam ter começado de outra forma, mas quem sabe não cresceriam tanto.

E você, se considera um Empreendedor de Facebook? Conhece alguém que trabalha com o que gosta, se consolidou no mercado e faz tudo isso através de uma rede social e muito trabalho sério?

0

Hayane Souza

Os capítulos da minha vida mudam rápido, assim como as tendências de comunicação. Publicitária apaixonada pelo efeito positivo que o marketing causa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *