fbpx

Instagram para a sua empresa, ter ou não ter, eis a questão! – Parte 2

Instagram para a sua empresa, ter ou não ter, eis a questão! – Parte 2

Don Tapscott classifica esta geração como Net Generation e afirma que ela está tornando obsoleta aquilo que chamamos de “Quatro P’s do Marketing”. Para ele, as empresas, agora, são norteadas pelas regras ABCDE do marketing: anyplace, brand, communication, discovery e experience, ou seja, qualquer lugar, marca, comunicação, descoberta e experiência, e o Instagram permite tudo isso, à todo momento.

Como em qualquer situação, as marcas devem ter estratégias e no Instagram não seria diferente. É importante saber que cada marca terá de decidir por si próprio onde deve se concentrar e como utilizar todo o potencial dessa rede social, sabendo prioritariamente transmitir “o estilo de vida da marca”. Antes de tudo, o Instagram é uma plataforma criativa, onde o inesperado e o autêntico ganham pontos.

Um post no feed não tem que ser necessariamente à cerca do produto ou serviço oferecido pela empresa, uma marca de roupas carioca que tem um persona descolada e um jeito “carioquês”, por exemplo, pode postar fotos do dia-a-dia da cidade do Rio de Janeiro, um pôr do sol, entre outras coisas.

Um case interessante do uso do Instagram é o da Macy’s, que decidiu promover seu desfile de Ação de Graças. A varejista foi capaz de aumentar o engajamento em seus anúncios 70 vezes em comparação com as suas mensagens não patrocinadas em novembro e dezembro de 2013, chegando a 5,3 milhões de pessoas. Nos dois dias seguintes de Ação de Graças, ganhou 14.000 novos seguidores, 75 vezes o seu aumento médio diário no mês anterior, e acabou com 42 mil novos seguidores em mais de duas semanas.

Para ter sucesso nas redes sociais, precisamos fazer com que o público se sinta envolvido, e no Instagram não é diferente, sendo a melhor maneira através de um conteúdo gerado pelo próprio usuário.

A Go Pro, por exemplo, vende por si só, experiências únicas com seus equipamentos e posteriormente faz com que seus usuários divulguem um conteúdo próprio que alimenta a timeline de seu Instagram, sendo bem diferente dos demais concorrentes. O uso de hashtags é um ponto forte nessa situação, são uma forma poderosa de manter os temas simplificados e pesquisáveis​​, e com a guia ‘Explorar’ se torna mais fácil procurar hashtags de segmentos específicos ou da sua própria marca. (Abordei recentemente em um texto meu aqui no Ideia, o poder que as hastags podem ter.)

As marcas precisam criar temas para deixar que seus seguidores saibam o que esperar e anseiem sempre por mais imagens e conteúdo. O importante é fazer com que o usuário se sinta percebido e assim construir relações, experiências e defensores da marca. Se sua empresa ainda não tem Instagram, chegou a hora de ter.

Até a próxima.

Leia o primeiro artigo da série: Instagram para a sua empresa: ter ou não ter, eis a questão! – Parte 1

0

Felipe Dias

Marketing em formação (2ª graduação), com um MBA em Gestão Empresarial saindo do forno e pensando no próximo. Trabalha como Analista de Business intelligence na agência GRITO.cc. Carioca da gema, apreciador do mate de galão, apaixonado pelo digital, fã de séries, esportes e um bom petisco.

2 comentários sobre “Instagram para a sua empresa, ter ou não ter, eis a questão! – Parte 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *