fbpx

Cultura organizacional, conflito de gerações e liderança – Um resumo do Capacitarh 2014

Cultura organizacional, conflito de gerações e liderança – Um resumo do Capacitarh 2014

Nos dias 1 e 2 de abril, tivemos a honra de participar de um dos maiores eventos de Rh do país, o Capacitarh. Nesses dois dias de aprendizado, tivemos verdadeiras aulas sobre o universo da Gestão de Pessoas e também pudemos fazer nossas próprias reflexões sobre o atual cenário do mercado.

Os principais assuntos abordados no evento foram sobre retenção de talentos; treinamento de liderança; geração Y – como engajar e lidar com essa nova geração; e cultura organizacional.

Em um novo formato, o evento possibilitou uma maior interação entre os participantes e palestrantes, enriquecendo ainda mais o conteúdo apresentado.

Fizemos um resumo básico sobre alguns temas discutidos para compartilhar com vocês e ampliar ainda mais a visão sobre o mercado.

Carreira

No primeiro dia de Capacitarh, Carlos Zettler, CEO da UP Essência (antes CEO da Avon), abriu o dia falando sobre os desafios do desenvolvimento de uma carreira de sucesso. “Não importa onde ou em que você decida seguir a sua carreira profissional, mas em qualquer lugar que estiver o que sempre terá mais destaque não é o quanto você sabe sobre determinado assunto, mas sim o que você aplica do seu conhecimento na prática. O melhor lugar para fazer o seu conhecimento valer a pena é na ação!”, disse Zettler.

Ainda em sua palestra, Carlos Zettler enfatizou a importância de uma equipe multicultural e como as diferenças de cada membro do time são fundamentais para o crescimento do todo. Afinal, pessoais iguais pensam iguais e agem iguais, não tem como esperar resultados diferentes. Procure mesclar personalidades e culturas na sua equipe e veja que resultados incríveis podem surgir no meio da diversidade.

Cultura organizacional e retenção de talentos

Para falar sobre cultura organizacional e retenção de talentos, Johaness Castellano, diretor de Pessoas e Desenvolvimento da Azul Linhas Aéreas, contou um pouco sobre a cultura da Azul e compartilhou com os participantes um pouco do seu conhecimento sobre gestão de pessoas. Um dos pensamentos que Johaness disse e que ficou martelando na minha cabeça foi: “A empresa é o veículo para a jornada do profissional. Assim como os meios de transporte, nem todo veículo é adequado para o destino que se deseja chegar.” Sabemos que não é possível chegar ao Oriente pedalando uma bicicleta, para isso, é necessário um transporte adequado e que nos possibilite chegar onde queremos. E é assim que devemos pensar em relação a nossa carreira. Você já sabe aonde quer chegar? A empresa que você está hoje tem condições de te levar até lá? Se não, para que investir tempo e esforços em uma instituição que não condiz com as suas expectativas e anseios? Provavelmente exista uma porção de outras empresas que possam corresponder melhor ao seu planejamento profissional.

“Trabalhar no que não gosta é o pior desemprego que existe. É um desemprego do espírito.”

Ainda falando sobre cultural organizacional, Luciana Ezequiel, diretora de RH da DHL, foi questionada sobre a responsabilidade do RH na formação de uma cultura organizacional compreendendo os grandes desafios de um processo de mudança e na construção de uma cultura sólida. Até onde podemos mudar uma cultura sem deixar de lado os valores e sem perder a essência da empresa? Luciana disse que não sabe se é possível mudar uma cultura organizacional, mas que é completamente possível a mudança de gestão. Isso já é um grande passo!

Conflito de gerações

Mesmo sem ter muitas palestras focadas sobre o assunto, o tema surgiu em diversos debates, trazendo muitas reflexões para os participantes. É fato que a experiência pessoal e profissional carrega grande peso dentro das empresas, porém isso faz do jovem Y menos capacitado para conquistar cargos estratégicos? A facilidade de aprendizado e a ousadia dessa geração possibilita um crescimento profissional mais rápido do que dos profissionais das gerações anteriores, afinal, não é difícil encontrarmos jovens no auge dos seus 20 e poucos anos empreendendo e alcançando altas posições dentro das empresas. A pergunta ficou no ar: a geração Y escuta, de fato, as outras gerações? E o contrário também é válido – as outras gerações estão dispostas a aprender com os mais novos? Como funciona na sua empresa?

Treinamento de líderes

Talvez eu não precisasse falar aqui que a liderança é feita fundamentalmente por exemplos. Isso já é falado há muitos anos e continua sendo mantra nos dias de hoje. Porém, quando falamos de treinamento de líderes, muitos acreditam já estarem prontos o suficiente e dispensam a participação em programas importantíssimos para a manutenção de relacionamentos internos. No Capacitarh, mais de um palestrante enfatizou o quanto é delicado a preparação de um líder e como a falta de, pode afetar uma equipe. Foi apontado que mais de 90% dos problemas internos derivam da falta de liderança eficaz. Partindo desse pressuposto, você acredita que a falta de capacitação de líderes é responsabilidade de quem? Da presidência que mantém certa distância do Rh e não dá abertura para implantar novos programas de liderança, ou do Rh por não apresentar programas realmente efetivos para líderes?

Assim como puderam notar, além de muito conteúdo (esse artigo é apenas o resumo de tudo que rolou por lá), o Capacitarh trouxe muitas reflexões, o que acredito ser riquíssimo para o aprendizado e desenvolvimento profissional. Finalizo esse artigo com uma frase que ilustra muito bem o relacionamento pessoal em todos os ambientes, dita por Maria Aparecida Garcia, diretora de Talentos Humanos da Algar Tecnologia: “A maneira mais eficaz de conquistar o respeito do outro é falar a língua dele.”

0

Mariana Melissa

Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com

Um comentário em “Cultura organizacional, conflito de gerações e liderança – Um resumo do Capacitarh 2014

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *