fbpx

As Relações Públicas na legitimação da transformação social

As Relações Públicas na legitimação da transformação social

Percebemos o grande potencial das relações públicas para o terceiro setor e salientamos que o mérito maior dessa atuação está em promover a decisão compartilhada que mescla o conhecimento científico do relações-públicas com a sabedoria popular dos públicos e assim também estimula a cidadania, a dignidade humana e a transformação social.

Atualmente, presenciamos a ascensão e importância das organizações do terceiro setor. No entanto, muitas delas carecem de profissionalização e subsídios para a legitimação e cumprimento da sua missão perante a sociedade. Nesse contexto, as relações públicas podem exercer papel decisivo frente aos desafios do segmento. As suas ferramentas podem ser usadas em duas grandes áreas: interna e externa. A primeira refere-se ao fortalecimento da instituição perante seus públicos internos, bem como a promoção do ser humano e cidadania, e a segunda condiz com a legitimação e busca de apoio perante a comunidade e sociedade em geral.

relações-públicasA importância da atuação das relações públicas nesse cenário é reforçada por Margarida Maria Krohling Kunsch, quando fala do terceiro setor. Segundo ela, o sucesso dessas entidades depende das estratégias de comunicação adotadas, e neste caso, a comunicação precisa pensar ações de forma participativa e estrategicamente planejadas. Desta forma, na atuação interna, as ferramentas de relações públicas podem servir para a integração e promoção dos públicos internos e fortalecimento da organização via a realização de eventos em datas comemorativas, promoção de concursos culturais e valorização dos saberes locais que encorajam a cidadania e dignidade das pessoas. Também no resgate da memória organizacional através de fotos, vídeos, depoimentos. Além disso, outra grande contribuição das relações públicas concerne à elaboração e execução do planejamento estratégico participativo da organização. Esse trabalho é capaz de profissionalizar a instituição, suscitar engajamento e indicar várias alternativas de ação a curto, médio e longo prazo.

No tocante à área externa, as relações públicas podem ser o elo fundamental de ligação entre instituição, comunidade e sociedade em geral. As estratégias nesse sentido podem ir desde a elaboração de projetos para captação de recursos de empresas públicas e privadas, busca de parcerias e relacionamento com entidades diversas, realização de eventos para arrecadar receita e promover a instituição até a divulgação através de redes sociais, youtube, site e imprensa.

Em suma, percebemos o grande potencial das relações públicas para o terceiro setor e salientamos que o mérito maior dessa atuação está em promover a decisão compartilhada que mescla o conhecimento científico do relações-públicas com a sabedoria popular dos públicos e assim também estimula a cidadania, a dignidade humana e a transformação social.

Referências:
KUNSCH, Margarida Maria Krohling. (org); KUNSCH, Waldemar Luiz (org). Relações Públicas Comunitárias: a comunicação em uma perspectiva dialógica e transformadora. São Paulo: Summus, 2007.

rodape_altissimo

0

Fabiane Altíssimo

2 comentários sobre “As Relações Públicas na legitimação da transformação social

  1. Fabiane,
    Considero a abordagem da Margarida Kunsch muito pertinente, pois abre mais uma oportunidade de atuação das Relações Públicas.
    Como estudiosa do terceiro setor a mais de 15 anos e atuei como voluntária outros tantos me deparei com algumas questões que transcendem a atuação da comunicação para a eficiência desse setor.
    Num dos aspectos que considero relevante é a gestão das organizações, pois por muitas vezes são geridas por pessoas sem muito preparo para tal. Geralmente pessoas com ideais, com espírito solidário e pouca visão gerencial.
    Outro aspecto é a questão financeira que por muitas vezes é precária e com certeza tem relação com o que expus acima.
    Com certeza as Relações Públicas contribuirão para que essas organizações tenham maior ganho no quesito comunicação, mas como somos gerenciadores e/ou administradores do processo comunicacional não podemos negligenciar o que é evidenciado na cultura dessas organizações.
    Vejo que temos um longo caminho a percorrer não muito diferente do que já temos percebido com relações aos outros setores, mas neste em especial – os percalços são mais delicados.
    Um grande abraço e estou à disposição para continuarmos essa discussão.
    Profª Ms Teresa Dias de Toledo Pitombo

    0

    [Reply]

    Fabiane Altíssimo Reply:

    Olá Teresa,
    primeiramente, agradeço pela sua ótima contribuição.
    Acredito que em qualquer segmento, a comunicação precisa sempre atuar com uma visão holística sobre a empresa e seus processos. E, para tal, é imprescindível que haja integração e trabalho conjunto com outras áreas, ja que, os grandes objetivos se realizam efetivamente se houver
    entendimento, aceitação e engajamento de todos na organização. A comunicação jamais poderá ser uma celula isolada.
    No terceiro setor, essa visão multidisciplinar precisa ser ainda mais realçada pelas peculiaridades do segmento.
    Cecília Peruzzo, aborda com muita propriedade o tema do terceiro setor e comunicação quando discorre que é necessário muita humildade e entendimento da realidade por parte do profissional de comunicação nesse cenário. Ou seja, o que ja citamos no artigo:
    o conhecimento científico precisa mesclar-se com o senso comum e com a realidade dos públicos.
    Grande Abraço

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *