fbpx

Inovação na educação é possível?

Inovação na educação é possível?

Educar cidadãos com capacidade de criar, questionar e inovar o sistema e o mercado talvez pudesse ser a solução de grande parte dos problemas da população e, é aí que encontramos o X da questão.

As empresas estão lutando por algo inovador e correndo para sair na frente e conquistar de vez o coração dos consumidores. Mas existe outro ambiente que ainda está muitos anos atrasados no quesito inovação, e esse sim deveria buscar incessantemente novidades e diferenciais para seu público final.  Estou falando da inovação na gestão da educação.

Há algumas semanas atrás uma matéria me chamou a atenção: uma escola no Rio de Janeiro, sem salas de aula, sem séries, sem lousas ou qualquer outro método parecido com o modelo atual de educação. Além da estrutura, o Gente, Ginásio Experimental de Novas Tecnologias, apostou em um método de ensino totalmente diferente do modelo tradicional. Lá os alunos se agrupam de acordo com interesses em comum e desenvolvem pesquisas independentes para apresentar (e ensinar) para o restante da “classe”.

O Gente é um projeto que ilustra bem a iniciativa de inovar na gestão educacional do país. Na Europa esse tipo de iniciativa já acontece há algum tempo. Em Portugal a Escola da Ponte, desde meados dos anos 80, segue um método de ensino muito semelhante ao que o Gente está aplicando e, na Alemanha, a Pedagogia Waldorf que, desde 1919, tem como premissa o desenvolvimento do ser humano com características marcantes como, por exemplo, o fato de não se exigir do aluno, ou cultivar precocemente o pensar abstrato (intelectual).  Lá se almeja que as aulas sejam um preparo para a vida, e realmente são!

inovação na educaçãoFalar que a educação no Brasil é defasada não seria nada inovador, mas mostrar que tem gente se mexendo para mudar esse cenário seria no mínimo interessante. Sem dúvidas existem mais projetos brasileiros seguindo os passos do fundador da Escola da Ponte, José Pacheco ou também do fundador da Pedagogia Waldorf, Rudolf Steiner, porém hoje destacarei apenas algumas, como o Projeto Âncora, em Cotia- SP e a Escola Desembargador Amorim Lima, localizada no bairro Butantã também em São Paulo, tanto as duas últimas citadas quanto as outras que apresentei no início do texto tem algo em comum: encorajar os alunos a trilharem seus próprios caminhos, dando a eles mais autonomia e liberdade de expressão.

Educar cidadãos com capacidade de criar, questionar e inovar o sistema e o mercado talvez pudesse ser a solução de grande parte dos problemas da população, e é aí que encontramos o X da questão. Para quem está com o poder nas mãos, isso pode representar uma ameaça, pois escolas distantes dessa realidade cumprem a missão tradicional de produzir bons funcionários. Já modelos de educação inovadores como os que citei, desenvolvem cidadãos capazes de construir autonomamente a sua capacidade para criarem valor e empreenderem.

Causar uma inovação disruptiva no que pudesse interferir no domínio e no poder da população, de certo não é uma das estratégias dos governantes para continuar no controle, e portanto apostar em métodos tradicionais e nem tão funcionais talvez seja a saída mais segura para eles. E se vocês pensam que é somente no Brasil que esse tipo de barreira existe, estão enganados. Em 1999, no início do governo de Tony Blair, primeiro ministro do Reino Unido, uma comissão produziu um relatório de 240 páginas sobre como progredir no desenvolvimento criativo e cultural dos jovens, porém segundo a BBC, o relatório foi ignorado e, até  2009 o relatório se manteve intocado.

Durante grande parte da minha formação estudantil, estudei em instituições tradicionais, porém nos últimos anos de escola tive a oportunidade de estudar em uma escola de Pedagogia Waldorf e pude notar a diferença gritante entre os modelos de ensino na prática. De maneira alguma aponto um modelo certo ou errado, aponto sim, alternativas para incentivar jovens a criar e pensar fora da caixa desde cedo para que futuramente existam empresas, negócios e principalmente uma população menos omissa e mais independente e responsável socialmente. Os jovens devem aprender a explicar o que já existe, mas também devem aprender a criar o que nunca existiu e para que isso aconteça, contar com a rede educacional pode ser o primeiro passo para a formação de novos criativos!

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

Mariana Melissa

0

Mariana Melissa

Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com

6 comentários sobre “Inovação na educação é possível?

  1. Bom dia, Patrícia! Li muito sobre esse tema e sobre esse projeto para escrever esse artigo e, pelas minhas pesquisas no Rio de Janeiro o GENTE é o projeto que está sendo experimentado. Como disse no texto, ele ainda é um projeto experimental no Rio, porém esse modelo e modelos semelhantes já são desenvolvidos há muito tempo em outras localidades. Muitas pessoas ainda tem dúvidas sobre a eficacia desses novos modelos na formação básica das crianças, porém elas tem perfeita condição de ensinar matérias básicas como qualquer instituição. Na escola Amorim Lima que citei no texto, 11 alunos foram medalhistas da olimpíadas de matemática de 2012, por exemplo. Se você quiser saber mais detalhes sobre a metodologia e estrutura do GENTE, leia mais nesse link http://porvir.org/porfazer/rio-inaugura-escola-sem-salas-turmas-ou-series/20130125#comments além da matéria estar detalhando muito bem o projeto em si, os comentários também estão muito ricos!
    Um abraço e tenha um excelente dia =)

    0

    [Reply]

  2. Mariana. Você acha que seja possível printar estes modelos alternativos de educação e aplicar isso também em outros campos de atuação? Tenho um modelo de negócio voltado para educação empreendedora, a principio começou com aulas off line, mas agora na fase 2 a idéia é que seja em plataformas digitais. Se possível, gostaria de bater um papo contigo sobre isso e trocar algumas figurinhas.
    Abs

    0

    [Reply]

  3. Gostei, compartilho e acredito que um novo pensar, educar, um novo modelo educacional pode abrir muitas portas no mundo dos negócios e consequentemente, da gestão pública. Defendo escolas, sem salas de aula, e penso que precisamos de mais apaixonados por estimular o auto conhecimento e consequentemente, o que faz as pessoas felizes. Minha mãe, que hoje atua como diretora, já defende esta dinâmica desde os anos 90, e sempre que pode, estimula os professores de sua escola a saírem da sala de aula. Um bom modelo, com ótimos resultados! Eu defendo e sempre que posso apoio, estimulo e trago boas experiências como estas as pessoas que conheço e que atuam na Educação.

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *