fbpx

Empreendedor, você pode ser o refém! Cuidado!

Empreendedor, você pode ser o refém! Cuidado!

O negócio de qualquer negócio tem que ser “as pessoas”. Todo e qualquer resultado obtido mais à frente será reflexo da atuação do conjunto e não das partes.

É sabido que empreender não é tarefa fácil, quem o faz que o diga, não é mesmo? Na série Empreendedorismo Jovem, tratamos de vários fatores que podem contribuir para a antecipação de falhas e construção de uma carreira mais sólida nos negócios. Você já leu? Fica o convite! Hoje vamos tratar de entraves capazes de tornar o gestor e sua empresa, eternos reféns.

Uma situação bastante comum nas MPEs – Micro e Pequenas Empresas é o aprisionamento mental do empreendedor diante da dificuldade de “gerir e demitir pessoas”, principalmente, se tratando de três situações em especial: a primeira, colaboradores que fazem parte do círculo familiar; a segunda, profissionais que ocupam cargos de liderança ou são mantidos no negócio por “tempo de serviço e não por competência”; e a terceira, o dilema diante de profissionais que não compartilham os valores organizacionais, mas, possuem produtividade superior a dos demais.

O negócio de qualquer negócio tem que ser “as pessoas”. Todo e qualquer resultado obtido mais à frente será reflexo da atuação do conjunto e não das partes. O empreendedor e a organização precisam ter ideias e ideais estrategicamente alinhados para a identificação, preparação, monitoramento, gestão e construção de habilidades capazes de atingir os objetivos e metas da empresa, proporcionando evolução para todos que a compõem e para o meio. De outra forma, dificilmente, sustentará qualquer tipo de expansão, ao contrário.

A capacitação do empreendedor é peça chave para o seu desenvolvimento como gestor e para que o negócio venha alcançar seus propósitos. No entanto, se ele não se sentir capaz, por exemplo, de demitir um familiar, o melhor é que não o contrate. Independente do porte é imprescindível que a empresa invista em qualificação e plano de carreira, acompanhe, avalie, treine e monitore continuamente, para que seus colaboradores tenham a oportunidade de evoluir e proporcionar crescimento ao negócio. Uma gestão baseada na transparência pode contribuir para que os próprios colaboradores percebam em que aspecto precisam melhorar ou ainda o motivo de outra pessoa estar preenchendo um cargo para o qual não está capacitado.

demissãoVê-se, com certa frequência, uma escolha bastante inusitada e arriscada nas organizações. Empresários, acorrentados à constante busca por lucros financeiros, têm optado por manter profissionais que embora não compartilhem os valores organizacionais, produzem mais que os outros, enquanto aqueles que representam a situação oposta são cortados do quadro funcional. Uma decisão que pode colocar em risco a imagem da empresa tanto no ambiente interno quanto externo, com perdas irreversíveis e contaminar toda a equipe que pode se tornar ainda menos produtiva além ficar confusa sobre os reais valores que a organização reconhece.

A mesma clareza sobre a missão, visão, valores, objetivos, metas e ações estratégicas organizacionais deve acontecer nos casos de demissão. É importante que haja transparência e confiança entre lideranças e colaboradores. A demissão deve ser o último caso, mas, há situações em que se torna inevitável e é importante que a equipe tenha conhecimento dos reais motivos que levaram ao corte. Dizer a verdade é uma forma de valorizar e fortalecer atitudes e comportamentos das pessoas que serão mantidas, às quais preenchem os requisitos de valor, além de se tornar um fator motivacional para que elas respeitem e se dediquem ao seu papel na organização.

Um pequeno descuido, no entanto, pode colocar em risco todo o trabalho de anos junto àquele grupo ou equipe, manchando a imagem da organização e fazendo-a refém, não apenas daquele que foi mantido indevidamente, mas, de todos os colaboradores que tendem a se sentir perdidos ao ponto de regredirem, pessoal e profissionalmente. O aprisionamento mental a propósitos voltados unicamente aos lucros financeiros pode levá-lo para um caminho sem volta. Reflita sobre onde você quer realmente chegar e pense nisto! Confira a entrevista de Jack Welch, CEO da General Eletric por 20 anos. Veja o que ele diz sobre isto e vários outros assuntos relacionados! Vale a pena conferir! Abraços, excelente semana!

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

Zélia Oliveira

0

Zelia Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *