fbpx

Novo Branding: vamos vender mais do nosso velho conceito!

Novo Branding: vamos vender mais do nosso velho conceito!

E são as ferramentas que mudam a disciplina? Não. A disciplina é que molda a ferramenta. O branding é que vai dizer como sua fan page irá se relacionar ou como seus vendedores irão argumentar.

O branding já não é uma disciplina tão nova assim. Apesar de muitas empresas ainda não entenderem sua importância e ainda as que entendem não realmente a praticarem, já estamos a cerca de 10 anos estudando e nos aprofundando na gestão e construção de  marcas fortes.

Ao procurar leituras sobre a disciplina, um título de um dos artigos da Exame.com me chamou a atenção: Novo branding: O que é? Ele realmente existe?

Nele, após uma síntese do que é o branding e de exemplificar uma mudança na forma de se comunicar da marca Nike, o artigo entre em discussão com uma série de especialistas da área, e conversa com grandes agências como a Tátil Design e a Crama Design.

Mas vamos ao que interessa.

Minha curiosidade com o título “Novo Branding” começou na verdade com uma desconfiança: um novo título para vender livros e super valorizar o trabalho? Mesmo apenas um dos especialistas dizer realmente que existe o “novo branding” (corrija-me se eu estiver errado), o que me deixa ainda mais em dúvida sobre “de onde tiraram o novo termo”, não consegui entender o que de novo realmente o branding tem.

Todos os conceitos e definições do artigo (que por sinal está muito bem escrito e com um conteúdo muito rico) são os mesmos que acompanham o branding desde do início das discussões sobre a disciplina.

novo branding

A velocidade das mudanças e comunicação com os consumidores

Um dos pontos que mais me chamou a atenção foi  abordagem sobre a velocidade nas mudanças, principalmente na forma de se comunicar com os consumidores.

O fato do comportamento e hábitos dos consumidores se transformarem de uma forma muito rápida, não muda em nada o jeito de “fazer branding”.

O branding prega um relacionamento intrínseco das marcas com seus stakeholders, trazendo às estrategias seus valores e personalidade. Qualquer ponto de contato ou comunicação da marca, precisa estar alinhado a sua proposta, a seu propósito. Em uma ação interna, em um anúncio no jornal, em uma ação de guerrilha, em uma mudança de layout do site, até mesmo em um recado que o gerente passará a seu departamento… não importa, se marca irá se comunicar ela precisa transmitir sua essência.

E são as ferramentas que mudam a disciplina? Não. A disciplina é que molda a ferramenta. O branding é que vai dizer como sua fan page irá se relacionar ou como seus vendedores irão argumentar.

O conteúdo e as marcas

Outro ponto importante do artigo, mas que também não vejo como um “novo conceito”, é que as marcas precisam criar conteúdo além de estratégias de marketing e vendas.

Mas como disse, é um conceito que está na raiz do branding: as marcas precisam estar no “contexto do cotidiano” das pessoas, precisam “fazer sentido” e não apenas vender. As propagandas intrusivas vão aos poucos perdendo espaço para as ações onde existem um diálogo entre consumidores e marca, onde há participação, onde o consumidor se sinta “ouvido”.

E por fim…

O branding nunca enxergou pessoas como números. Inclusive, um bom exercício do branding é pensar em sua marca como uma pessoa, associando características e criando uma personalidade, para que ela possa conversar com outras pessoas (que no caso, é o público da marca: consumidores, colaboradores, fornecedores…), criando assim um relacionamento mais verdadeiro e próximo. O fato de cada vez mais focarmos em nichos não significa que estamos mudando o branding, ele continua o mesmo. Nem mesmo as novas tecnologias, nem a internet e nem as novas “ferramentas” mudaram o branding.

Vou fechar com a frase de Troiano ao próprio artigo sobre o “NOVO BRANDING”:

“O consumidor sempre teve seu poder de decisão. Isso não mudou. Não existe um Novo Branding, mas uma nova maneira de se relacionar. Apesar disso, os princípios fundamentais são os mesmos.”

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

0

Paulo Lima

Acredita que somente pessoas são fator de mudança. Fundador e Gestor do Ideia de Marketing, é consultor em marketing e branding.

2 comentários sobre “Novo Branding: vamos vender mais do nosso velho conceito!

  1. Concordo em número, gênero e grau com o seu artigo, Paulo. Alias fiquei bem contente de lê-lo, pois pensei exatamente a mesma coisa quando li esse artigo do “novo branding”. O Branding mal criou raizes no Brasil, e já estāo querendo criar um novo? Mas a Tátil, por exemplo, (pelo menos em seu site) usa a terminologia “Branding 3.0” o que eu já acho bem mais aceitável. Entender que o branding evoluiu é importante, mas criar um “novo”, para mim, é quase como desistir do “anterior”.

    0

    [Reply]

  2. O texto é interessante pois destaca o cuidado que devemos ter na criação do relacionamento da marca com as pessoas, pensar que ela apenas deve se comunicar com o público alvo, não eh tão correto assim. Palavras de agradecimento pelo texto.

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *