fbpx

E existe mesmo essa tal Geração Y no Brasil?

E existe mesmo essa tal Geração Y no Brasil?

Isto quer dizer que, nem todas as características e proporções agregadas a Geração Y que aparecem, condizem com a realidade da maioria dos jovens brasileiros.

Muito se ouve sobre a nova (ou nem tanto) geração que tem mudado o cenário empresarial. A geração Y que é caracterizada por ser ousada, antenada, tecnológica e tudo mais que a letra Y lhe dá direito, está cada vez mais em evidência e exposta a críticas e elogios. Mas no meio de todas essas características e movimentações de gerações é necessário enfatizar e relembrar que moramos em um país chamado Brasil! Pois é, a febre da geração do milênio originou-se nos Estados Unidos e, diga-se de passagem, que historicamente e culturalmente somos bem diferentes. Isto quer dizer que, nem todas as características e proporções agregadas a Geração Y que aparecem, condizem com a realidade da maioria dos jovens brasileiros. Segundos as literaturas, estão enquadrados na Geração Y aqueles nascidos entre 1980 a 2000. Agora vamos relembrar o que acontecia em territórios brasileiros e americanos na década de 80 e façamos uma breve comparação de comportamentos:

BRASIL

• Criação do plano Cruzado
• Ditadura Militar ainda em vigor
• Diretas Já
• Altos níveis de endividamento dos períodos e dos planos de desenvolvimento anteriores
• Altos níveis inflacionários e estagnação econômica

EUA

• Jogos Olímpicos em Los Angeles
• É publicado o padrão da ethernet (tecnologia para redes locais)
• Nave espacial Colúmbia faz seu primeiro vôo
• Apple lança o computador Macintosh

Nos Estados Unidos a situação era completamente diferente da encontrada em solos brasileiros, talvez isso explique um pouco das diferenças comportamentais entre os jovens americanos e brasileiros. A maior parte dos jovens americanos cresce e se desenvolve trabalhando em cima de objetivos estruturadamente planejados para um futuro profissional brilhante. Já a educação e desenvolvimento brasileiros não tiveram e ainda não têm a atenção que merecem e isso, claro, reflete no comportamento dos jovens recém chegados no mercado de trabalho.

A utilização da internet por jovens entre 16 e 24 anos, por exemplo, apresentou um crescimento significante no Brasil desde 2008. Antes éramos 56 milhões de internautas jovens, representando 34,8% de cabeças online, em 2012 esse número subiu para 79,9 milhões, sendo 48% de tupiniquins conectados. O crescimento pode ter sido grande, mas seria o mais correto generalizarmos 100% dos jovens brasileiros com características fortemente americanas, sendo que apenas 48% tem acesso a internet, por exemplo?

Somos filhos de pais que viveram a ditadura, fazemos parte de uma nação que luta (ou deveria lutar) por melhores condições educacionais, somos conterrâneos de milhares de jovens que não possuem energia elétrica e saneamento básico. Aquelas características Y que dizem que todos os jovens do momento são engajados, ousados, desafiadores e que pensam com cérebros tecnológicos existem nos corpos jovens do Brasil sim, mas estão presentes apenas em uma pequena parcela da população. Convido vocês a pensarem junto comigo: quais são as reais características da Geração Y no Brasil? Como essa galera pode mudar de vez com o mercado e com a situação do país? Já que fazemos parte dos 48% online, vamos botar essa rede para funcionar!

*dados percentuais retirados de http://bit.ly/73siZq | http://bit.ly/r6UDBG

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

0

Mariana Melissa

Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com

8 comentários sobre “E existe mesmo essa tal Geração Y no Brasil?

  1. Seu ponto de vista é interessante, mas faz parecer que tudo se resume a condição financeira e acesso a internet e não é bem assim.

    Porque digo isso?

    Os Estamos Unidos está cheio de pessoas nascidas nesse período que não tem nada a ver com as características da citada Geração Y, e tem acesso a internet, saneamento básico, energia elétrica e tudo mais.

    Não estão revolucionando nada, e pelo contrário, são fúteis e muitas vezes sem objetivo algum, sem noção ou senso crítico do que ocorre em seu próprio país, e normalmente com uma visão míope do mundo, pois o mundo desses indivíduos é apenas seu próprio país.

    Então como sustentar esse argumento diante disso?

    Esse artigo parece buscar uniformidade linear em um cenário muito caótico.

    Não há como.

    Eu concordo que as coisas são diferentes por aqui, principalmente se tratando do mercado de tecnologia por exemplo, mas o mundo não passou a estar conectado só após o advento da internet, e sim que ocorreu que por causa da internet um grande número de pessoas passou a PERCEBER que o mundo sempre foi conectado, e que coisas que acontecem em um lugar interferem em outros.

    Isso não é algo recente.

    Então eu acredito que o chamado “fenômeno da geração y” ocorreu e ocorre decorrente de uma reação a coisas que existem nesse mundo conectado, e como tudo no mundo não existe unanimidade, nem aqui e nem nos EUA, pois nem todas as pessoas buscam as mesmas coisas, e às vezes quando buscam não a fazem da mesma forma.

    0

    [Reply]

    Mariana Melissa Reply:

    Olá!! Muito interessante sua linha de pensamentos. Acho que seu pensamento ramifica o meu. Por esses motivos que você citou fica mais evidente que generalizar esses pontos característicos não é o caminho. Como disse no meu outro texto sobre os rótulos da Geração Y (http://migre.me/9GT5Z) muitas caracteristicas são de jovens no geral, sejam eles nascidos na década de 60 ou 90. Em relação a internet, quis apenas citar um exemplo, mas acho que existem muitos outros pontos que diferem algumas atitudes. O fator das literaturas mencionarem que Y sentem paixão pelo que fazem e quando deixam de sentir pulam pra uma proxima, talvez nao seja uma realidade total. Eu mesma consigo analisar essa questão observando a situação do meu ciclo de amigos, boa parte escolheu suas profissões por questoes financeiras, outra parte está em determinada área por falta de opção ou para angariar fundos para que futuramente faça aquilo que realmente seja apaixonado. Existe o fato também do tipo de educação e economia do país, isso interfere claramente no comportamento pessoal e profissional dos jovens.Claro que nos eua também existe tipo de situação similar, mas o fato é: as pesquisa comportamentais foram feitas por lá, os resultados saíram de lá e exatamente por isso e por seus resultados que não devemos seguir piamente o que diz as regras.

    Agradeço muito sua participação e reflexão. Pontos de vistas diferentes enriquecem muito mais =)
    Abraços =)

    0

    [Reply]

    @hiper4tivo Reply:

    Junho 29th, 2012 at 18:16

    Eu que agradeço, e também agora pude entender melhor o que você quis dizer.

    Acabou que a gente concordou no conceito e discordou nos exemplos hehehe…

    Até mais!

    0

    [Reply]

  2. Excelente texto. Realmente não há como comparar uma geração oriunda de uma nação com tantas limitações como o Brasil com outra que investe e produz para seu próprio benefício.

    0

    [Reply]

    Mariana Melissa Reply:

    Obrigada Rafael. O ponto é exatamente esse: a comparação de nações tão distintas evidentemente comportamentos também serão distintos!

    Obrigada pela participação =)
    Abraços

    0

    [Reply]

  3. Acho que a Geração Y do Brasil deveria tentar produzir mais ao invés de ficar consumindo tudo que os americanos y fazem com a desculpa que eles precisam se antenar… passam horas no facebook, horas em joguinhos bobos, horaaaas…. e produzem muito pouco!!!

    Quando alguem reclama é pq é velho, é pq é careta… mas produção que é bom nada…. o Brasil (na minha opnião tah?) é um país de jovens preguiçosos com pinta de y e que não produzem nada! São consumistas e metidos.

    0

    [Reply]

    Mariana Melissa Reply:

    Olá Luana! Acredito muito na criatividade e capacidade dos brasileiros. Acho que o que falta é incentivo, sem isso, infelizmente muitos encontram a saída de simplesmente reproduzir o que foi feito ao invés de tentar produzir algo novo que se adeque melhor a nossas condições. Os jovens de hoje precisam de espelhos, precisam de heróis que incentive-os a mudar e se mexer por um proposito.

    Abraços =)

    0

    [Reply]

    Luana Reply:

    Então vão ficar nessas por anos a fio… é o perfil do Brasileiro… esperar esperar e esperar…

    Olha só a nossa politica como esta! Estão todos esperando melhorar.

    Não quero generalizar, a muitos casos de jovens empreendedores, mas a maioria usa o discurso do Y apenas para justificar suas horas a fio no facebook, twitter e sei la mais o que. Bando de poser.

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *