fbpx

O impacto das redes sociais pelo contágio de emoções

O impacto das redes sociais pelo contágio de emoções

“Primeiro entender como e por que estamos todos conectados” – Nicholas Christakis

Estamos no mundo com outros sete bilhões de pessoas e vivemos pré-conectadas às mesmas, em uma rede de infinitas possibilidades e aparentemente desconhecida para cada um de nós. Agora imagine você ir a uma festa com 20 pessoas. Sabes quantas conexões podes realizar? Segundo estudos você pode efetuar oito mil conexões. Como se sentir sozinho nesse contexto? A ciência das redes fornece um modo distinto de ver o mundo porque ela divide as pessoas em indivíduos e grupos, e também como os primeiros se tornam o segundo! Se estivermos curiosos em entender como a sociedade funciona é preciso compreender elos ausentes entre indivíduos. Se não entendermos um pouco do real conceito de redes sociais nunca vamos entender quem somos ou o mundo que vivemos.

As mídias sociais mostraram ao mundo de forma clara a formação de uma rede social e teve seu crescimento através de um contágio emocional, ou seja, um indivíduo entrou e impactou seu amigo para ingressar também e assim por diante, o resultado é que estávamos diante de uma pandemia afetando as experiências na vida real.

Quando estamos em rede o que atinge um acaba por impactar outros. Um caso bem interessante aconteceu na Tanzânia, em 1962, em um internato de meninas perto do Lago Vitória, no distrito de Bukoba. Houve uma epidemia do riso, e isso não aconteceu com algumas internas que estavam compartilhando uma piada. Um desejo irresistível de rir tomou conta repentinamente e foi passando de uma para outra, afetando mais de mil pessoas. Ocorriam de forma natural e então ocorriam recaídas de até 16 dias. Neste caso foi uma exposição à material de explosões atômicas que causou uma “loucura contagiosa” com aproximadamente 90 km de surto. Entretanto, emoções de todo tipo, alegria, tristeza ou outra natureza, podem se propagar entre pares de pessoas e até grupos maiores. As emoções têm sua origem do coletivismo!

O contágio emocional é realizado também entre estranhos, daí o treinamento para garçons, recepcionistas e demais colaboradores ou vendedores, para estarem sempre sorrindo, pois isso contagia o cliente que feliz estará mais propenso a compra. Como diz Dean Ornish, autor de Amor e sobrevivência – a base científica, “A ligação com os outros afeta não só nossa qualidade de vida como também nossa sobrevivência”. Para nos entrosarmos de fato com alguém, e contagiá-lo, basta usarmos três fatores bem alinhados: química, compatibilidade e sincronização. Esta combinação pode ser entendida como o DNA dos relacionamentos! Uma boa propaganda e relações públicas, alinhados aos três fatores, ocasiona em nós um contágio para aceitarmos o que elas vendem, dizem ou fazem! Indivíduos como Adolf Hitler, Martin Luther King, Mahatma Gandhi, Steve Jobs, Oprah Winfrey, Bill Clinton, Julia Roberts, Bono Vox, Barack Obama, entre outros e marcas como Disney, Apple, Harley Davidson, Coca-Cola inspiram lealdade, devido seu relacionamento com o cliente.

Muitos estão cientes do efeito das redes sociais em nossas vidas, família e amigos. Nossas ações podem torná-los felizes ou tristes, saudáveis ou doentes e até ricos ou pobres. Mas quase nunca pensamos que nossas atitudes podem se propagar para além das pessoas que conhecemos. Se o mantra da nova web é “Você é o que você compartilha” e “A reputação é a moeda do Século XXI” como você está criando suas redes de contatos? Baseado em que fatores e qual a real importância para sua vida? Pense nisso… pois… estamos conectados!

0

Saulo Andrade

3 comentários sobre “O impacto das redes sociais pelo contágio de emoções

  1. Excelente a proposta do post. De fato, as Redes Sociais, um ambiente sem fronteiras e que não pára de funcionar nas 24 horas do dia, muitos querem falar e outros querem ser “ouvidos” entre tantos assuntos e afinidades. A questão é que temos em mãos, uma poderosa ferramenta de comunicação e esta deve ser bem utilizada, afinal, estamos tão vulneráveis a intensa carga de informação aqui presente. Muito mais do que agregar conhecimento, as Redes Sociais são as mais viáveis ferramentas de integração e mobilização dos coletivos, prova disso é o constante crescimento do número de usuários que buscam se conectar. Penso que no caos do mundo atual, ainda há esperanças de termos um ambiente virtual organizado e com propostas de conteúdo de qualidade. A ferramenta esta em nossas mãos, basta sabermos o que iremos fazer com ela!

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *