fbpx

Vai ficar preso na jaula até quando?

Vai ficar preso na jaula até quando?

Pessoas com a Síndrome da Jaula Pequena são vendadas e não percebem o tamanho das oportunidades e desafios que as rondam, ignorando as mudanças que ocorrem em sua volta.

Você já ouviu falar em Síndrome da Jaula Pequena? Se sua resposta for negativa, não se preocupe, até agora a pouco a minha também era, mas quando descobri do que se tratava percebi que talvez eu e muitas outras pessoas em determinadas situações, possamos ser “portadores” da tal síndrome. Vou resumir a história para que vocês entendam do que eu estou falando.

Em um passeio ao zoológico observando o local onde vivia o urso, um visitante percebeu que o animal só se locomovia em passos ritmados e apenas 6 metros para frente e 6 metros para trás. Intrigado com o que via, o visitante perguntou ao zelador o porquê do urso repetir os mesmos movimentos e em exatos 6 metros aos extremos sendo que a área em que vivia era tão grande. O zelador respondeu que animal cresceu e se desenvolveu em cativeiro, numa jaula de apenas 6 metros. Ele tinha a chamada Síndrome da Jaula Pequena. Mesmo agora que vivia em uma área mais ampla, ele havia se acostumado com sua rotina e seus movimentos em apenas 6 metros para frente e para trás.

Assim como o urso, muitas pessoas não conseguem enxergar que seu espaço se ampliou e que a ”jaula” passou a ter mais que os 6 metros. Continuam prisioneiras de seus hábitos e se limitam a um espaço estritamente confortável.

Pessoas com a Síndrome da Jaula Pequena são vendadas e não percebem o tamanho das oportunidades e desafios que as rondam, ignorando as mudanças que ocorrem em sua volta.

As justificativas são das mais diversas, como: “vamos deixar assim para ver como fica” ou “eu sempre fiz dessa forma e deu certo” e também “não se mexe em time que está ganhando” e assim por diante.

Você também sofre da Síndrome da Jaula Pequena? Continua usando as mesmas ideias de sempre, mesmo quando os desafios atuais são totalmente diferentes daqueles enfrentados no passado?

Se a resposta for positiva, é melhor dar uma olhada nas grades e obstáculos que você mesmo construiu. Eles podem estar barrando e limitando sua criatividade e ações que poderiam ser de grande crescimento e amadurecimento profissional.

Essa jaula foi construída por nós mesmos: temor do ridículo, medo de falhar, preconceitos, suposições fantasiosas e outros bloqueios emocionais causados por insegurança e falta de confiança, são as razão para que nos enjaulemos independente do espaço oferecido.

Convido-te a sair da zona de conforto, vamos dar um passo a diante e vamos além dos hábitos sempre cultivados. Questionemos esses hábitos! É necessário ousar, percorrer por outros espaços, experimentar novos movimentos e principalmente acreditar e valorizar nossa capacidade. Não tenha medo da sua criatividade e invista nela! Já parou para pensar no que você tem feito para romper as grades de sua pequena jaula e explorar o amplo espaço que está em sua volta?

Texto baseado em http://criatividadeaplicada.com/2011/11/08/liberte-se-da-sindrome-da-jaula-pequena/

0

Mariana Melissa

Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com

4 comentários sobre “Vai ficar preso na jaula até quando?

  1. Não podemos ficar esperando a coisa acontecer, nós é que devemos acontecer, vamos empreender!!Afinal de contas somos brasileiros e não desistimos nunca!Muito Inspirador este artigo.
    Parabéns!

    0

    [Reply]

    Mariana Melissa Reply:

    Muito obrigada pelo comentário. Gostei muito de escrever esse texto, pois no meio do caminho percebi que em alguns momentos e situações ainda estamos enjaulados sem perceber e simplesmente usamos justificativas prontas para continuar na mesma plataforma. Espero que de alguma forma esse texto tenha contribuído para uma nova percepção de nós mesmos! Seja bem vindo ao Ideia e apareça e participe sempre que quiser

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *