fbpx

O engajamento da geração Y

O engajamento da geração Y

Ansiedade, pressa e falta de engajamento: geração Y, você está fazendo errado!

Os jovens de hoje, mais conhecidos como geração Y, estão cada vez mais famintos por novas conquistas e desafios. Porém, devido toda essa instabilidade e ansiedade pelas novidades do mercado, a dificuldade em contratá-los tem crescido. As empresas estão inseguras em adicioná-los em seus quadros de funcionários por vários fatores e um deles é a falta de engajamento.  Mas o que seria engajamento nesse caso? Defino como “estar entrelaçado a uma causa”, sentir que a empresa realmente agregue algum sentido para a vida.

Sou parte efetiva dessa geração Y e digo com propriedade que existe uma pressa em chegar a algum lugar em tempo record. O problema é que na maioria das vezes essa ansiedade misturada com agonia de ficar “estacionado” não tem um rumo certo. A questão é IR DEPRESSA, CHEGAR LOGO, CORRER COM TUDO, mas para onde? E por quê? Nem nós mesmos sabemos e isso está visível para nossos prováveis futuros chefes. Eles querem nossa sede, nossa fome, nossa energia, mas também estão com um pé atrás com esse desespero desenfreado.

Voltando a falar na terceira pessoa, os jovens não querem fazer sempre as mesmas coisas, por isso é necessário mostrar que há possibilidade de crescimento dentro da empresa. Principalmente no início da carreira, além de querer mostrar para os outros, a necessidade de provar para si próprios que são capazes é maior e, é ai que deve entrar as propostas de desafios constantes por parte das organizações. Mas não somente de desafios são movidos os jovens e as empresas devem ficar atentas para não cair naquela questão da sombra da rotatividade que ronda por aí. A maior parte da massa jovem está carente de espelhos e referências. Muitos não tem um líder a quem seguir e almejar alcançar seu sucesso. Nesse quesito é possível comparar com a geração X (nascidos nas décadas de 60 e 70), onde os maiores espelhos eram os pais e, já essa nova geração teme ficar parecida com os progenitores e evitam se aproximar de suas semelhanças profissionais. Como mais uma dica de “como engajar a rapaziada”, vale lembrar a importância do feedback, saber onde estão errando e percebendo que seus acertos estão sendo notados, desperta a sensação de confiança, tornando assim um funcionário seguro de seus atos.

Como já citei antes, sou parte dessa geração e sei bem dessa realidade ansiosa em que vivemos. O mercado deve parar de esperar que as novas gerações de letras estrangeiras sejam sempre fenomenais e deve permitir que as falhas apareçam. É a partir delas que o progresso vai ganhando espaço. Agora eu pergunto para você: sua profissão faz seus olhos brilharem? Talvez a falta de “brilho nos olhos” pelo o que faz seja a principal razão da falta de engajamento. Reflita e tente descobrir: Pelo o que seus olhos brilham?

 

0

Mariana Melissa

Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com

3 comentários sobre “O engajamento da geração Y

  1. Exato!

    Trabalhei 6 anos em uma empresa grande, estável, mas sem desafios e sem perspectiva de crescimento por mérito.

    O pior era ouvir todos dizerem (principalmente o RH) que ali o que mandava era a meritocracia, mas saber que as promoções vinham de festinhas e churrascos nos fins de semana.

    Ter chefes assim que analisam seu lado pessoal mais que o profissional é uma constante nessa empresa até hoje.

    O que faz meus olhos brilharem eu descobri…

    Empreender…

    Mudou minha vida!

    0

    [Reply]

  2. Olá amigos,

    Realmente, existe uma necessidade de se apaixonar pela causa, o jovem é assim, brilho nos olhos, vontade de participar de algo, criar e ver o seu resultado. As empresas são muito imaturas ainda, mesmo empresas de tecnologia ainda usam a meritocracia como falou anteriormente o nosso amigo,e ainda tem regimes de gestão rígidos. Fui apaixonada pela empresa que eu trabalho por dois anos, faz trÊs anos que eu estou lá e a 12meses constatando que ainda não encontrei o meu lugar!!

    0

    [Reply]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *