fbpx

Reputação nas mídias sociais

Reputação nas mídias sociais

A crescente onda de redes sociais e relacionamentos furados, a facilidade do desabafo e a ausência de bons ouvintes, o furor curioso pela vida alheia e o tédio de estarmos superficialmente conectados, visceralmente descomprometidos com a comunicação “Tête-à-Tête’’, traz-me inúmeros pensamentos e avaliações.

Fazendo uma ligação desta linha de pensamento, li sobre nossas mais profundas raízes, o Reino Animal, onde é comum encontrarmos espécies que costumam emitir cacarejos, grunhidos, relinchos e toda a sorte de efeitos sonoros com o intuito de comunicar aos outros alguma atividade que lhes é completamente insignificante.

O chimpanzé-pigmeu, por exemplo, costuma dar vários gritos e grunhidos estridentes toda vez que descasca uma banana. Mas que importância pode haver em descascar uma mísera banana? De forma similar, não é raro encontrarmos pessoas que costumam fazer o maior alvoroço toda vez que fazem qualquer atividade, por mais rotineira e insignificante que possa ser.

Eu mesma me pego entre filtros do que devo ou não publicar, afinal, o botão curtir do Facebook é um aplauso e tanto para um ego deslumbrado.Pergunto-me se aquilo vai acrescentar algo na vida de alguém, ou se vai somente aliviar a minha. É Marketing de Compartilhamento ou Exibicionismo Pessoal? Publico ou particularizo? Até gerar aquela informação é um pequeno passeio de questionamentos mirabolantes.

Mas de fato o que me preocupa não é o marketing pessoal solto a fora, afinal, muitas vezes o que fazemos de bom (ou ruim) serve de exemplo para muitos, e de registro para nós mesmos em nossa caminhada. O que me assusta é a falta de filtro nestas informações. Já vi pessoas que expõe até mesmo suas contas bancárias, suas cáries, a cor de sua roupa íntima e o sermão do patrão como se isto fosse uma forma de personalidade, uma forma de expressão. Ainda que fossem exemplos a serem seguidos, se tornam desinteressantes por tamanha exposição. E o ponto cômico está no próprio emissor, que tipicamente costuma reclamar de invasão de sua vida pessoal e excesso de palpite alheio, já reparou? Ora, mas não foi você mesmo quem nos contou tudo? Então se eu posso ouvir, posso falar também, porque não?

Não é bem esse o intuito do Marketing Pessoal que visa sim, potencializar seus valores e aptidões, compartilhar suas conquistas e avaliar mudanças… Mas cuidado ao se mostrar, pois não é porque descascamos uma banana que alguém sempre precisará ouvir nosso grito!

Penso que saber mostrar-se é uma arte. Afinal de contas, ninguém precisa de mais barulho para saber que as caixas vazias são justamente as mais barulhentas.

 

0

Juliana da Matta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *