Você já deve ter ouvido falar que quanto mais sabemos, mais temos certeza de que precisamos aprender. Um ótimo conteúdo segue o mesmo padrão. A principal diferença nem sempre está na profundidade do tema abordado, mas quando há uma reação de “isso é enfadonho, acredito que não vou conseguir compreender” ou quando o autor consegue estimular a conhecer mais e mais. Não saber pode ser algo maravilhoso. E é isso que um conteúdo deve transmitir, a experiência da descoberta e a motivação para continuar seguindo por aquele caminho.

Por que é tão importante se perguntar sobre isso? Há um erro comum em muitas estratégias de comunicação. Algumas vezes, um conteúdo técnico ou mais específico acaba transmitindo uma mensagem complexa e desestimulante. É como aquele artigo que se tem certeza do alto nível de pesquisa e qualidade, mas que a vontade de ler fica abaixo de zero. Bom, de nada adianta gastar horas de produção para que do outro lado, o leitor, simplesmente morra de tédio ou cansaço nas cinco primeiras linhas. Ou, sendo mais otimista, nos primeiros parágrafos.

Um conteúdo relevante é aquele no qual há uma construção de valor. Para não ficar abstrato, basta pensar em quais são os problemas da pessoa que está consumindo o seu artigo e como é possível ajudá-la. E, chegando na questão-chave, como um ótimo conteúdo faz você se sentir? Wil Reynolds, profissional de SEO, certa vez levantou a mesma questão em uma palestra. Na época, a primeira ideia que tive era sobre o quão aprofundado o conteúdo deveria ser e como aquilo faria com que me sentisse mais inteligente.

A resposta para a pergunta é mais simples ainda. Um ótimo conteúdo deve sim fazer com que o leitor se sinta mais inteligente. Mas, basicamente, é uma leitura que te leva para cima. E, indo mais adiante, é aquele que quando você termina a última frase está empoderado para dar o seu melhor. Outro ponto que é relacionado com conteúdo (e vendas) é que as pessoas não compram apenas produtos. Elas compram “o melhor produto delas mesmo”. O conteúdo deve fazer com que cada um se torne “uma melhor versão de si mesmo”, seja no âmbito pessoal ou profissional.

Para entender com um ótimo conteúdo pode fazer as pessoas se sentirem, existem certas perguntas que trarão insights preciosos. Separei 3 exemplos:

  1. Se eu tornasse todo o seu conteúdo inacessível, alguém iria sentir falta?
  2. O conteúdo faz com que os leitores se sintam bem?
  3. Você está criando conteúdo que torna a vida das pessoas mais fácil?

Se todas as respostas acima forem “sim”, estamos diante de um conteúdo memorável. Criatividade, inovação, referências, são elementos que agregam. Porém, devem sempre estar aliados com o mais básico, colocar o seu leitor para cima.

Como fazer o público reagir ao conteúdo?

O conteúdo é uma boa maneira de não só vender um serviço ou uma empresa, mas de dialogar com as pessoas e criar comunidades próprias. Dando um passo para trás, é interessante entender como nos comunicamos. Aqui, vamos relembrar brevemente das aulas de semiótica:

  1. Fonte: remetente da mensagem;
  2. Codificação: colocar a mensagem em um formato que possa ser enviado ao receptor e que, por sua vez, ele será capaz de decodificar;
  3. Canal: o canal por onde transita a mensagem, como telefone, cartas, e-mails, posts etc.;
  4. Decodificação: ler ou escutar atentamente. Os ruídos de comunicação gerados no estágio da decodificação podem também ser decorrentes da falta de conhecimento, por exemplo, de jargões para entender a mensagem;
  5. Receptor: o recebedor da mensagem que irá compreendê-la a partir de suas próprias ideias e sentimentos;
  6. Feedback: o público revelará se realmente entendeu a mensagem. Neste estágio, é o momento de fazer adaptações;
  7. Contexto: a situação em que se entrega a mensagem. Exemplo: ambiente político ou social vigente.

Um ótimo conteúdo passa por todos os estágios sem barreiras. Quando se dá a transmissão e compreensão da mensagem, isso ocorre de forma fácil e ocasiona reações positivas. Entre os desafios para obter um sentimento de “estou me tornando melhor”, estão as mensagens longas, desorganizadas, repletas de linguagem e referências extremamente técnicas (quando não é necessário), erros ou embates com a cultura do público.

Para passar com maestria por todos os estágios e provocar reações no público, vou compartilhar dicas de mestres do conteúdo para a construção de uma estratégia:

  • Porquê/ Por que: Nick Westergaard, estrategista-chefe de marcas da Brand Driven Digital, relembra a lição de Simon Sinek, em que tudo deve começar a partir de um “porquê”. Inclusive, essa é a palavra mais persuasiva do dicionário, conforme relata Robert Cialdini, autor de “As armas da persuasão”. No conteúdo, equivale a responder “por que se está fazendo isso”. Entre as possíveis conclusões estão branding, pesquisa de mercado, atendimento ao cliente, geração de leads, relações públicas, construções de comunidades.
  • Quem: um bom conteúdo tem que resolver problemas para o público, servir para uma necessidade em suas vidas. Quem é seu público?
  • O que: como é possível criar algo que seja útil para o autor e para o leitor? Qual a forma de conteúdo que mais gera reações? O que é melhor para a sua marca?
  • Quando: quando isso acontece e com qual frequência?
  • Onde: onde isso ocorre? É interna ou externamente?
  • Como: como vamos fazer isso? Como vamos medir o sucesso?

Bônus: 13 perguntas para construir um ótimo conteúdo

Ok, minha estratégia está pronta e compreendi os estágios para provocar reações positivas. Agora, o que devo escrever? É bastante comum se encontrar em uma situação parecida. Anteriormente, compartilhei algumas técnicas para exercitar a criatividade e sair da tela em branco. Dessa vez, busquei trazer 13 perguntas selecionadas pela American Marketing Association que poderão contribuir para a construção do seu melhor conteúdo.

  1. Qual o seu melhor conselho? Qual o caminho certo para determinada ação?
  2. Quais são as perguntas mais comuns e que ocorrem com maior frequência?
  3. Qual pergunta você gostaria que as pessoas fizessem, mas elas não fazem?
  4. O que aprendeu no último evento profissional que participou?
  5. Qual a melhor estatística que representa o problema que irá resolver para o leitor?
  6. Por que você ama o que faz?
  7. Como você atende a maior necessidade não resolvida pelo seu público?
  8. O que poderia dar errado em outras maneiras de solucionar o problema?
  9. Quais lições relevantes que se pode aprender com uma pessoa famosa, filme, livro ou música?
  10. Como você mudou sua abordagem desde que começou a estudar determinado assunto?
  11. Quais perguntas ninguém da sua área está disposto a responder?
  12. O que você acha que o futuro está preparando e que as outras pessoas não consideram como possível ou provável?
  13. O que seu público deve saber antes de realizar uma ação?

Pronto para despertar o melhor do seu leitor com um ótimo conteúdo? Dúvidas ou sugestões, entre em contato!

 

banner clique
The following two tabs change content below.

Janine Costa

Especialista em Inbound Marketing, Planejamento Estratégico de Comunicação e Marketing Digital. Formada em Comunicação, pós-graduada em Marketing para Mídias Sociais e com experiência em agências e clientes de vários portes e segmentos. Também realiza Palestras e Workshops com foco em Inbound Marketing e Produção de Conteúdo Criativo.