Falta menos de um mês para começar a Copa do Mundo e, como sempre, as marcas apostam na publicidade de oportunidade. Vivemos em países apaixonados por futebol (vocês aí no Brasil e eu cá em Portugal), e veremos quase todos os dias o Neymar e o Cristiano Ronaldo representando alguns produtos ao longo das próximas semanas.

Algumas marcas habituais já têm o palco garantido, como a Adidas, a Nike, a Coca-Cola, o McDonalds, entre outras grandes empresas que já têm preparadas as suas publicidades com histórias comoventes e uma parafernália de brindes com o logotipo oficial do Mundial de Futebol.

O que resta para as outras marcas? E principalmente, o que resta para as marcas que não têm capacidade financeira para serem patrocinadoras do evento? Trata-se de usar a criatividade e tentar ganhar algum espaço com humor e sensibilidade para emoção.

Os estabelecimentos comercias vão criar alguma brincadeirinha com os times de diferentes nacionalidades, haverá menus de comidas típicas dos países, haverá sorteios de viagens para Rússia, haverá fotos com jogadores aposentados, e é claro, haverá um monte de eventos para confraternizar nos dias de jogos da seleção. Não se pode esquecer que os bares e restaurantes lucram mais ao disponibilizar o espaço com grande televisores para grupos de amigos assistirem aos jogos.

Os mais variados ramos de negócios vão tentar pegar carona no evento do momento, criando uma promoção, uma oferta ou uma lembrancinha qualquer alusiva aos países participantes e aos jogadores de futebol. É simplesmente um dos eventos esportivos com maior audiência do mundo e o capitalismo não perdoa. Eu mesma, não resisti à tentação, e já comprei roupinhas com motivos da Copa na H&M para a família.

Uma grande tendência para a publicidade relacionada à Copa do Mundo de 2018 centra-se nas redes sociais. O primeiro motivo é óbvio, há restrições nas transmissões pela televisão e há muito dinheiro envolvido na divulgação em outras mídias. O segundo motivo é gritante e demonstra um novo hábito de costume: cada vez mais o público assiste à televisão com o smartphone na mão.

Muitas marcas vão agregar uma ideia relacionada à Copa do Mundo nas suas páginas de Facebook e nos feeds de Instagram. As marcas vão postar anúncios e fotos de incentivo à seleção, vão tentar criar virais, vão publicar posts que expressem sentimentos para ganhar likes, e talvez até estejam a espera de algum resultado inusitado para postar uma piada.

É nítido que, cada vez mais, as marcas mostram as suas personalidades e interagem com o público através da internet. Com certeza a Copa do Mundo, sendo um evento que mexe com emoções, trará muitas possibilidades de assuntos para que as marcas estejam online durante as próximas semanas.

Por fim, há um novo nicho de marketing que está a crescer e promete marcar presença durante a Copa do Mundo, são as páginas e os Stories dos Instagram dos próprios jogadores e de outra personalidades ligadas ao futebol. Portanto, aguardem publicações em tempo real, onde o protagonista é o próprio dono do canal transmissor, e revela por trás um material publicitário.

E você, já tem um álbum de figurinhas? Já comprou algo em especial para usar na Copa do Mundo ou está tratando dos convívios para assistir aos jogos?

banner clique
The following two tabs change content below.

Renata de Freitas

É publicitária de Floripa, mas vive há mais de 10 anos em Portugal, onde trabalha com Marketing Empresarial, fez PhD em Comunicação Estratégica e participa de grupos de investigação da área. É apaixonada por Branding, por assuntos criativos e por lugares inspiradores.