Não precisa. Mas será melhor. Entenda.

Faz tempo que não falo sobre propósito. Mas, em épocas difíceis, de retomada para algumas empresas e reorganização para outras visando o novo ano, nada melhor que nos inspirarmos naquilo que pode ser fundamental para a existência e sucesso de qualquer negócio, seu propósito. E isso não é conversa de multinacional e grandes marcas, não.

Toda micro, pequena e média empresa passa por momentos de oscilação e dificuldades. Desde seu nascimento, os desafios são enormes e sobreviver frente à concorrência não é fácil. Mais do que aportes financeiros, a existência passa, também, pelo apego ao propósito, que é sua real razão de existir.

Não à toa, se muitos empreendedores fossem se apegar somente aos resultados financeiros, certamente muito mais empresas deixariam de existir. Ao passo que temos uma causa clara e definida, muitos outros resultados estão em jogo, principalmente aqueles emocionais atrelados ao propósito da empresa e sua luta irracional para cumprir a missão comprada. É como se outras formas de satisfação aos empreendedores estivessem em jogo.

Por exemplo, para o dono de uma oficina que está com poucos clientes por conta da crise, mas que tem fé no próprio negócio, ama o que faz, porque seu propósito é cuidar da segurança dos seus clientes, pode ser uma boa época para enviar um WhatsApp para aqueles mais chegados com uma promoção de manutenção preventiva para que a viagem com suas famílias nas férias de fim de ano seja segura.

É claro que o exemplo apenas ilustra a motivação de um empreendedor, mas a lição aqui é que quando há um propósito claro e definido, há uma motivação orgânica e natural para que se faça acontecer, pois leva-se em consideração outras esferas de resultados antes mesmo do econômico, a partir de uma satisfação por outros motivos. Neste caso, a preocupação verdadeira com os clientes.

Como pensar o propósito?

É comum ver pessoas de sucesso aconselhando empreendedores dizendo que o foco nunca deve ser o dinheiro, mas sim a construção de um negócio que o faça feliz. É mais ou menos por aí.

O estabelecimento de uma causa maior para um negócio está na raiz da concepção dos fundadores e gestores em ter a empresa, ou daquelas lideranças que têm um apego próximo e íntimo à organização ou aos motivos que a levam existir. Isso significa o real entendimento da existência do negócio e de suas relações com o mercado, a partir do ponto de vista dos problemas, anseios e necessidades que a empresa resolve.

Pensar propósito e praticá-lo é a melhor forma de se relacionar com a organização e seu papel dentro dela, pois outros resultados é que estão em jogo. Nesse sentido, é possível que haja uma harmonia no clima do trabalho e uma melhor qualidade de vida, em tempos difíceis ou mais fáceis.

Muito mais prazeroso do que vender consertos mecânicos é garantir a segurança do cliente. Assim como é muito melhor garantir que as pessoas provem o melhor sabor de suas vidas ao invés apenas de comprarem produtos alimentícios. Pensar propósito é sonhar sucesso. Qual o seu?

banner clique
The following two tabs change content below.

Isaac Zetune

Isaac Ramiris Zetune é jornalista, pós-graduado em marketing político e especializado em branded content. É sócio-diretor da Agência Insane e fundador da plataforma EMPREENDA.SE. (isaac@sejainsane.com.br)