Dia 12 de novembro será celebrado o Dia da Gentileza, mas o que isso tem a ver com gestão de equipes? Tudo! A gentileza pode ser traduzida dentro do meio corporativo, como a boa e velha empatia, e oferece ao gestor uma grande oportunidade de se conectar com a sua equipe!

Algumas vezes confundida com simpatia, a empatia é aquele movimento estratégico em que o gestor busca ajustar o seu ponto de vista para que consiga enxergar as necessidades que a sua equipe enfrenta. É essa mudança de mindset da liderança que criará um relacionamento honesto e efetivo com os colaboradores.

Os relacionamentos corporativos, entre líder e liderados são muito importantes porque impactam diretamente na produtividade e no engajamento dos colaboradores, além de influenciar diretamente em prazos e qualidade em produtos e serviços oferecidos pela empresa. O gestor hoje precisa oferecer mais do que um ambiente estressante e competitivo, onde o foco está apenas no resultado. O colaborador deve vir em primeiro lugar!

Pense, se o colaborador não está motivado a estar ali, desempenhando o seu papel dentro da empresa, ele irá oferecer ao cliente, seja direta ou indiretamente, uma experiência insatisfatória com a marca. Para que isso não aconteça e o colaborador esteja motivado e engajado com a “causa” da empresa, é preciso que ele vivencie um ambiente de trabalho que proporcione a ele experiências bacanas, que o encante. É a experiência da marca dentro da marca!

O colaborador deseja mais do que gostar do que faz, ele também quer gostar de como o faz! O papel do gestor/líder é proporcionar este ambiente, em que as pessoas encontrem uma integração dentro do próprio grupo, sejam reconhecidos pelo seu trabalho e que sejam tratados com gentileza e retribuir esse tratamento aos colegas, durante a jornada de trabalho.

Esse ambiente organizacional não precisa de grandes orçamentos para que seja feito o básico em sua transformação, mas de grandes investimentos em atitudes. Atitudes que são mais simples do que aparentam.

Sorria! – Já dizia uma colega, não é porque é sério que tem que ser chato! Um bom dia cordial pode mudar todo o expediente de trabalho de uma pessoa.

Ouça! – Ninguém gosta de ser ignorado, isso inclui sua equipe. Dar voz aos colaboradores e ouvir realmente essa voz faz toda a diferença. Essa atitude cria oportunidade para que os colaboradores vivenciem momentos que os tornam participativos, levando-os a um senso protagonismo. A surdez vinda do gestor leva a equipe à desmotivação, à queda de rendimento e, posteriormente, ao aumento turnover  na empresa.

Ajude, estenda a mão! A responsabilidade pelo desenvolvimento da carreira de um profissional é dele mesmo. No entanto, isso não isenta o líder em ajudar que esse desenvolvimento aconteça, oferecendo oportunidades de crescimento e desafios profissionais. Todo líder é um coach, guiando seus colaboradores em uma jornada de autoconhecimento profissional, apoiando em sua capacitação técnica e comportamental.

Respeite! – As pessoas são únicas, e por isso possuem raciocínios e opiniões diferentes. Isso é o que torna a Cultural Organizacional rica em diversidade. Cada pessoas possui experiências de vida, seja pessoal ou profissional, ímpares e que podem enriquecer o processo que levará produtos e serviços até o cliente. Respeitar a diversidade vai além do credo, opção sexual ou classe social. Trata-se de ouvir e respeitar visões de mundo diferentes e ainda ter o discernimento necessário para trabalhar em harmonia com as estratégias da empresa.

A experiência do cliente em relação à marca depende do colaborador, pois é ele que fará que ela seja boa ou ruim, seja direta ou indiretamente. Conhecer e se relacionar é essencial para poder oferecer uma experiência bacana, criando equipes focadas e guardiãs da marca. Então, que tal aproveitar o Dia da Gentileza para reforçar essa ideia dentro da cultura de sua empresa?

banner clique
The following two tabs change content below.

Marcelo Oliveira

Jornalista e entusiasta da Gestão do Conhecimento e Inovação, com uma passagem de 17 anos pela EMBRAER, onde atuei na edição de Publicações Técnicas e como focal point de inovação. Estruturei e estive a frente de um programa voltado a conectar pessoas, ajustar processos, melhorar a comunicação e aplicar uma gestão colaborativa e inovadora de equipes, ajudando a desenvolver o potencial humano, através do engajamento e da capacitação. Em paralelo, como freelancer, produzi textos para a revista Villaggio Panamby e para o site infoescola.com. Fundei a Inovadoramente Consultoria para oferecer serviços em gestão de equipes e comunicação. Também sou conteudista no Ideia de Marketing e na Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, além de professor de Pós-Graduação na ESPM, dentro do Centro de Inovação e Criatividade.