Faz 6 anos que estruturei, pela primeira vez, uma equipe de Marketing. Quando entrei nessa jornada, veio muita insegurança e medo, pois eu achava que não tinha experiência suficiente com gestão de pessoas. Como ser um bom líder? Eu me perguntava isso todos os dias. Aos poucos comecei a entender que não é preciso ter uma equipe para exercer um papel de líder. Percebi com o tempo que o comportamento de liderança começa muito antes do que imaginamos e pode ser exercido em qualquer papel e momento das nossas vidas.

Tudo começa muito cedo, entre os amigos, na faculdade, no primeiro emprego ou em qualquer tipo de relacionamento. Para ser um bom líder é preciso saber se relacionar bem com qualquer pessoa. É claro que, para se relacionar bem, existem alguns desafios que precisamos superar. Elenquei 3 pontos-chave que você pode começar a desenvolver para se tornar um líder de verdade – não importa se você está trabalhando ou se tem uma equipe para gerenciar. Levo comigo esses pontos para que a cada dia possa me desenvolver ainda mais como líder de uma equipe e, principalmente, como responsável pelas escolhas de minha própria vida. Confira:

1. Como ser um bom líder sem saber ser liderado?

Toda pessoa que tem um perfil empreendedor ou de liderança geralmente não quer ser liderado. Queremos tomar nossas próprias decisões, fazer da forma que achamos melhor. Eu era assim. Queria tudo do meu jeito – por ter  iniciativa, as coisas deveriam ser da forma que pensei. Mas o que acontece quando queremos tudo do nosso jeito? Iniciam-se conflitos, muito tempo é gasto com discussões de como fazer e pouco tempo é utilizado para a ação. Além disso, não é possível ter boas relações humanas querendo tudo da nossa forma. Esse tipo de atitude apenas afasta as pessoas.

Antes de querer ser um líder precisamos aprender a ser liderados. Quem não respeita a sugestão e orientação de alguém mais experiente dificilmente conseguirá criar empatia com outras pessoas. Você tem o desafio inicial de criar empatia pelo seu líder – se ainda não consegue isso, comece agora. Lembre-se: no futuro, você pode ter uma equipe com pessoas diferentes, ou seja, o desafio é ainda maior.

Para exercitar e desenvolver essa habilidade, comece a se observar também em situações cotidianas. Quando você está em viagem ou passeio, você sugere e dá orientações ou diz como deve ser? Lembre-se: ser um bom líder não é impor o que precisa ser feito, é guiar as pessoas para que as coisas sejam feitas da melhor maneira possível. E fazê-lo para a maioria, não só para você.

Dica: cuidado para não ficar apenas na teoria. A prática é parte essencial da conquista da liderança entre as pessoas. Liderar é muito mais do que dizer o que precisa ser feito, liderar é fazer.

Intenção sem ação não tem valor algum na liderança.

2. Pare de olhar o problema do outro

No início da minha carreira eu queria mudar o mundo sozinha. Achava que meu propósito era resolver os problemas de todos – afinal, eu sabia que atuar com o desenvolvimento humano era meu propósito. Mas eu estava tentando fazer pelo caminho inverso: tentando mudar as pessoas.

Infelizmente é comum olharmos só para os defeitos dos outros, discutir os problemas das pessoas e achar que existem soluções fáceis a elas. Sempre pensamos: por que essa pessoa não resolve logo o problema dela? Por que ela não muda para melhor?

No entanto, precisamos tirar o foco dos problemas das pessoas e olhar mais para nós mesmos. Por exemplo: você tem paciência para ouvir? Você é tolerante em todos os momentos? Você sabe a hora certa de dar um conselho ou sai falando toda hora o que acha?

É preciso evoluir com profundidade o autoconhecimento, começando pela auto-observação de seus comportamentos. Esse é um dos primeiros passos para conseguir se desenvolver, obter bons relacionamentos, ajudar as pessoas e mudar o mundo.

Dica: uma atividade que faço quase todos os dias é registrar minhas ações para refletir sobre minha forma de agir. Listo as ações que tiveram resultados positivos e negativos. Para as decisões que não foram tão boas, anoto o que eu poderia ter feito de diferente. Assim, com uma auto-análise simples já podemos nos desenvolver.

3. Tenha auto-estima elevada

“Ofendeu-se? Há algo dentro de você que está fragilizado. É preciso olhar para dentro de si e perguntar: por que me ofendi?” Flávio Moreira.

 Ser uma pessoa bem resolvida pode ajudar muito no sucesso pessoal e profissional. Quando tratamos de um perfil de liderança isso é ainda mais necessário.

Líderes devem passar segurança para as pessoas. Portanto, é preciso estar sempre muito seguro de si. Para isso, é muito importante se conhecer, aceitar seus defeitos e amar suas qualidades. Assim, sempre que precisar ouvir um feedback, independente se achar justo ou não, saberá tomar uma decisão com sabedoria e não com a emoção.

Imagine a seguinte cena: você não pode falar nada para seu gestor. Ao fazê-lo, fica logo fica irritado ou magoado. Essa situação não ajuda no crescimento de ninguém. Mais uma vez é um comportamento que faz diferença quando prezamos por um bom relacionamento com as pessoas. Não seria muito mais fácil se todos ouvissem feedbacks e soubessem absorver apenas aquilo que vale a pena? E tudo aquilo que considera não necessário ou sem sentido, basta ignorar. Na prática sabemos que não é sempre assim. Acabamos levando o que ouviu para o lado pessoal, achando que a pessoa não deve gostar de nós ou está fazendo críticas demais. Achamos muitas coisas, tiramos conclusões emocionais e acabamos provocando mais confrontos.

O desafio para a descoberta de como ser um bom líder é grande. Mas se há uma forma de iniciar a jornada para uma gestão de sucesso é através da construção de bons relacionamentos a partir da busca pelo autoconhecimento. E o melhor de tudo isso é que você não precisa esperar ter um cargo de liderança para se tornar um grande líder. Basta começar agora a busca pelo seu próprio desenvolvimento.

banner clique
The following two tabs change content below.
Especialista em gestão de marketing com mais de 10 anos de experiência. Formada na área de Comunicação e com MBA em Marketing, experiência em Startups e em projetos de marketing internacionais, envolvendo países como Estados Unidos, México e Portugal.