É inevitável que a acessibilidade às ferramentas tecnológicas e canais de comunicação empoderou os negócios e marcas de micro e pequeno porte. Concomitantemente às suas atividades habituais, as MPEs também se esforçam para garantir “a boa comunicação” com seus stakeholders (públicos de interesse), em um contexto de mercado disputado, no qual a atenção do consumidor é buscada de infinitas formas, todo momento, por todos os meios. Nesse cenário, as ferramentas digitais são rapidamente e primeiramente lembradas. Surgem como salvadoras.

A disputa pela preferência do cliente e um olhar digitalmente exagerado na concorrência, somados à facilidade para se comunicar por conta da disponibilidade dos canais, entretanto, pode abrir brecha para uma comunicação ineficiente. Isso é muito comum. E também pode ser sinônimo de dinheiro jogado no lixo, já que uma mensagem transmitida pela metade ou mal contextualizada não faz da comunicação um suporte eficiente para o desenvolvimento do negócio.

Normalmente, esse cenário se desenha quando há falta de foco, de um público claro e definido, além da subutilização das ferramentas e plataformas de comunicação e tecnologia.

Minha ideia, com este artigo, a partir de agora, é te ajudar a tornar a sua comunicação minimamente mais eficiente, a partir da desconstrução de algumas ideias comumente postas em prática no mundo digital das MPEs. Por isso, selecionei 4 grandes falácias que sobrevoam o ecossistema da comunicação e que observo nas minhas consultorias.

1 – Precisamos estar em todas as redes sociais!

Um dos grandes erros da comunicação de um negócio. Existem milhares de redes sociais, cada uma com suas características e particularidades. Antes de se criar canais, é preciso entender que existe (ou deveria existir) um plano inteligente por trás, que considere os reais atributos de uma rede social seguindo suas funcionalidades e a melhor aplicação para seu público específico. Além disso, precisa-se destinar algum tempo para um trabalho que realmente faça a diferença. Canais ativados significa trabalho ativo. E, em um mundo onde está cada vez mais difícil conquistar uma audiência, tê-la e abandoná-la ou deixá-la sem respostas é desperdício e pode ser muito ruim para a marca. Além disso, esses canais – orientados para empresas – seguem em constante transformação, sendo eficientes de fato quando há investimentos aplicados. Do contrário, trabalho e tempo jogado fora.

DICA: Estude e estabeleça os reais motivos que farão você ingressar em uma nova rede social para sua empresa, conhecendo as funcionalidades e particularidades. Entenda seu público e verifique o comportamento dele para ser assertivo na escolha dos seus canais e, principalmente, na gestão e atualização, com mensagens que façam sentido para ele.

2 – Todas as datas comemorativas precisam ser lembradas

Outra estratégia que pode ser muito falha quando não pensada, já que pode ser cansativa e criar “detratores” de marca. Porém, o que vemos, é uma enxurrada de “rosas” no mês de outubro e outra de “azuis”, em novembro. Lembrar uma data comemorativa, um feriado ou um marco cronológico importante tem que fazer sentido para seu negócio, estando atrelado ao seu universo de atuação ou multiplicando uma informação que realmente faça a diferença para o seu público.

DICA: Estabeleça um cronograma de conteúdos que realmente façam sentido dentro do seu universo de atuação, para seu público. Mais do que lembrar o Outubro Rosa, o Novembro Azul, ou qualquer outra data, pensar em ações verdadeiras com esses temas pode ajudar você a ser mais relevante e, quem sabe, explorar a sazonalidade de forma diferente, para se destacar de verdade e não perder tempo.

3 – Já estamos divulgando no Facebook!

É claro que existem vários cases de empresas que deram certo com boas divulgações no Facebook. Porém, é muito difícil que a comunicação de uma MPE somente pelo Face garanta o sucesso de um negócio, principalmente novo. E vejo muitas empresas depositando somente nessa ferramenta a expectativa de atração de novos clientes. Antes de ir somente por esse caminho, é preciso conhecer muito bem a tecnologia e as funcionalidades, mas observar os objetivos que a comunicação terá, para verificar se, para atingir o seu público, somente essa ferramenta basta.

DICA: Pensando como se fosse uma pessoa do outro lado ou seu cliente potencial, se colocando no lugar dele, reflita sobre as melhores formas de abordar o público do seu negócio, ou seja, de fazê-lo ver sua mensagem, se interessar e interagir com ela. É preciso conhecer o potencial cliente e entender minimamente seu comportamento. Se exigir uma comunicação mais privada e direta ou mais massiva e ampliada, as estratégias mudam. Por isso, antes de depositar as fichas somente em um canal, avalie muito bem as possibilidades e a abrangência, frequência e cadência que a comunicação terá que ter.

4 – Vai ter post todos os dias, né!

Quantidade de posts não significa eficiência, tampouco qualidade. Mas, por falta de conhecimento, é algo que pode atrapalhar a presença digital de uma marca. Ao passo que o impacto feito sobre uma audiência é muito frequente e exacerbado, a mensagem – mais do que absorvida – pode ser interpretada como chata, dentro de um excesso de bombardeio de informações. Por isso, o bom senso se faz necessário. E o conhecimento ajuda.

DICA: As ferramentas digitais não se resumem somente naquilo que vemos na timeline. Estão à disposição uma série de recursos desenvolvidos para empresas, somados a outras técnicas manuais, que podem ajudar a tornar a comunicação mais eficiente além do post, como anúncios e interações personalizadas. O entendimento do objetivo do canal, o desenvolvimento de um cronograma de ações e a observação macro da comunicação podem torná-la mais eficiente!

Na dúvida, teste!

banner clique
The following two tabs change content below.

Isaac Zetune

Isaac Ramiris Zetune é jornalista, pós-graduado em marketing político e especializado em branded content. É sócio-diretor da Agência Insane e fundador da plataforma EMPREENDA.SE. (isaac@sejainsane.com.br)