O termo Native Advertising, ou em bom português “publicidade nativa” que também podem ser chamados de “anúncios sociais”, pode não ser uma expressão tão nova pra você, aliás, não é mesmo tão novo assim, mas para o ano de 2017 há pesquisas que prometem que esse tipo de estratégia no marketing digital, será de grande importância.

Você sendo profissional ou não de marketing digital, em boa parte do tempo é usuário e sabe que a quantidade de informações que te oferecem é assustadora. Vence quem se destacar e trouxer para o seu interesse uma melhor oferta ou solução.

E se você é um usuário intermediário ou até mesmo básico, sabe que o uso de um AdBlocker para impedir o desespero do seu navegador em te anunciar coisas, é e será cada vez mais comum no meio digital.

O site norte-americano Business Insider apresentou dados relacionados as “Trends” de 2017 que dizem que 74% da publicidade feita nos EUA por volta de 2021, estarão em formato Native Ad.

A matemática é simples. Se o número de Adblockers aumenta, o faturamento vindo de anúncios também. Todo mundo quer chegar ao seu “destino final”.

A publicidade nativa é uma comunicação feita no meio do conteúdo de um site ou de uma rede social, geralmente no mesmo formato ou layout das outras publicações. Mas leva um símbolo, ou uma palavra para diferenciar que tal conteúdo é promovido.

Ou seja, temos um conteúdo de marca unido ao um layout integrado.

E por qual motivo devo ficar atento ao Native Ad em 2017?

A onda avassaladora de produção de conteúdo voltada ou adaptada para mobile é quase um tsnumani. Ponto positivo para Native Ad, sendo menos intrusiva para o usuário e “penetrando” melhor nas redes sociais. Lembrando que a maior parte dos acessos são feitos por celulares e tablets.

Outros pontos importantes a se lembrar é que a publicidade nativa não sofre interrupções com os banners e pop-ups da mídia paga tradicional, possui volume de CPC mais em conta do que as mídias mais tradicionais, não interrompem a experiência do usuário, possuí uma taxa de atenção da audiência maior do que outros modelos de Ad, converge a publicidade em uma maior identificação do usuário com a marca, aumenta a intenção de compra e faz com que a lembrança da marca seja maior do que em outros formatos.

Para o Content Marketing o formato de Native Ad tem a função de criar, distribuir conteúdo de grande valor, manter a relevância e consistência do mesmo. Além de reter a audiência como em qualquer estratégia de marketing digital.

 No fim das contas, esse esforço é transformado em ação rentável por parte do cliente.

Um outro ponto importante a se destacar sobre esse modelo de publicidade é o fato de que o Native Ad, tem como conceito inicial uma imagem unida a um texto. Os usuários da internet hoje leem cada vez mais, isso é fato. Seja ler mensagens no Facebook ou no WhatsApp. Os banners e outros modelos de anúncios tradicionais são vistos, mas os Natives, são vistos e lidos.

Sobre como produzir conteúdo você já deve saber muita coisa, nem preciso te dizer dos aspectos básicos na hora de produzir material de qualidade, certo? Então agora, pense como você vai levar isso para o seu target.

A forma como você vai abordar a galera que quer consumir e ouvir sua marca, vai contar muito. Infelizmente, conteúdo bom por si só, sem estratégias bem planejadas, não vão tão longe assim e nem vale a pena contar com a sorte de um viral, seja ele qual for a sorte que for.

A Native Ad ainda possui um potencial inexplorado, mas sem dúvida experimentar é o primeiro passo para se aprender a como usar essa estratégia ao seu favor.

banner clique
The following two tabs change content below.

Sabrina Kelly

Mineira de Belo Horizonte, publicitária em formação, apaixonada por viagens e fotografia. É técnica em Sistemas da Informação pelo Colégio e Faculdade Cotemig e fez um intercâmbio em Jornalismo na Universidade de Coimbra, Portugal. Escreve para a Obvious Maganize, produz conteúdo para e-commerce e é criadora da Loja Virtual Feitio.