Iniciar um projeto de B.I. deve ser algo pensado e bem planejado para ter os melhores resultados no menor tempo e que traga um retorno no menor prazo possível, além é claro, de melhoria organizacional com a tomada de decisão mais afinada.

Dentre os principais pontos a serem trabalhados, a escolha da ferramenta e a engenharia de valor são sem sombra de dúvida os que ganham maior destaque e cuidado.

Sobre as ferramentas, existem inúmeras delas no mercado, cada uma com benefícios e limitações que podem auxiliar na prosperidade ou fracasso dos resultados.

Recentemente as ferramentas têm sido remodeladas para permitir que o próprio usuário final tenha mais facilidades e um melhor manuseio da análise em si.

Quanto a engenharia de valor e tema principal desse artigo, podemos destacar 4 processos que devem ser utilizados. São eles:

Alinhamento Estratégico

Avaliar quais as possibilidades do projeto com um todo. O que é possível reduzir na organização? Onde reduzir? Quais áreas dedicar investimento e pensar em rentabilidade e custos?  Em uma frase, essa etapa deve representar a aplicação do projeto, demonstrando que é possível e que gera resultado.

Capacidade de Transformação

Outro ponto muito importante é a avaliação de GAPs e melhorias, entre o cenário ATUAL e FUTURO. Avaliando as possibilidades de evolução da organização! Como exemplo, podemos identificar os KPI’s (indicadores) principais e até onde poderia ser melhorado cada um. Dessa forma prática, conseguimos mensurar os ganhos e tempo de retorno para a próxima fase.

ROI Analysis

Definido os indicadores e as metas, conseguimos delimitar o projeto e onde vai ser utilizado. O FOCO do projeto ganha sentido e se torna mensurável, conseguindo calcular o quanto gera de economia e ganhos para a empresa. Em valores mensais, é possível calcular o PayBack e em quantos meses ou anos a ferramenta se paga e permite redução de custo.

RoadMap

Quem nunca ficou perdido no desenvolvimento de um produto ou projeto atire a primeira pedra! Portanto essa técnica, que é utilizada no desenvolvimento de softwares e até em projetos de arquitetura, auxilia como um mapa visual e descritivo das etapas que seu projeto deverá evoluir.

“É quase impossível que um projeto possa chegar ao objetivo e traga os resultados esperados sem que ele não passe por um descritivo sequencial e com as variáveis muito bem esclarecidas. Sem isso a empresa está desperdiçando tempo, dinheiro e a carreira de inúmeras pessoas em busca de um sonho que vai se tornar um pesadelo”.

Pense hoje mesmo em iniciar um projeto de B.I. para sua organização, os ganhos são imensuráveis, mas fique atendo ao projeto e a avaliação da ferramenta. Avalie várias opções, livre-se das amarras e paradigmas como aproveitamento de ERP ou preferência por empresa. A melhor ferramenta pode ser aquela que você ainda não conhece!

banner clique
The following two tabs change content below.

Anderson Wenningkamp

Consultor especialista em Marketing de Relacionamento (CRM) desde 2007. Fundador da CicloCRM, empresa especializada em consultoria de Marketing Digital. Acredito que todos podem fazer um excelente relacionamento com clientes e pretendo revolucionar a maneira como as empresas se relacionam.