Me inspirou muito a atitude do presidente da GOL Linhas Aéreas, Paulo Kakinoff, de anunciar o novo serviço de Wi-Fi dos aviões da companhia, por meio de uma LIVE, no Facebook da empresa, durante um voo, na cabine dos pilotos.

A ação inédita me fez pesquisar sobre a vida do executivo. E fiquei surpreso com algumas filosofias que me inspiraram a falar hoje sobre o quanto, de fato, um líder de uma empresa está comprometido com o seu negócio.

É inevitável que o crescimento de uma organização possa provocar acomodação ou deslumbres em um empresário, o que pode prejudicar o desempenho do seu negócio, porque um líder real deve inspirar os seus colaboradores. E estar próximo do que acontece é decisivo nesse processo.

Ao pesquisar a vida de Paulo Kakinoff, descobri que, uma vez por semana ele pega um voo qualquer da companhia com o objetivo de avaliar os serviços prestados e se colocar à disposição dos seus clientes – cara a cara – para ouvir críticas diretamente daqueles que fazem seu negócio existir.

Ao passo que o líder de uma gigante, com toda humildade do mudo, busca se aproximar do seu negócio, vários outros seguem um caminho contrário se distanciando do seu negócio real. A aparência de que está tudo certo é a grande vilã das pequenas e médias empresas. Ela faz um líder se acomodar pela sensação superficial de que as coisas estão bem.

Aposto muito em iniciativas como as do presidente da GOL, de executivos que se aproximam das suas operações para coletarem percepções reais de melhorias a partir de vivências e contatos com os consumidores da sua marca. Conhecer e dominar o próprio negócio de ponta a ponta é o que garante ao líder um poder eficiente de gestão, porque ele conhece as pessoas e processos profundamente, ficando apto a tomar as melhores e mais certeiras decisões.

Quando Steve Jobs dava a cara à tapa para lançar um produto da sua própria empresa, se mostrava completamente conectado com o seu negócio. O presidente da Lojas Renner, Jose Gallo, que aos fins de semana visita uma unidade diferente da varejista para viver o ritmo do dia a dia, mostra-se extremamente preocupado com as melhorias que só ele pode enxergar.

Estar atento ao desenrolar de sua empresa e adotar a prática do contato pessoal com a rotina da organização pode ser o fator decisivo para a evolução do seu negócio.

Líderes de sucesso nos ensinam com suas atitudes. E nós devemos seguir os exemplos daqueles que nos mostram que a dedicação no relacionamento com nosso próprio negócio pode ser o maior diferencial de uma gestão.

Seguir para crescer

Steve Jobs, Jose Gallo e Paulo Kakinoff nos fazem refletir também sobre o quanto um colaborador está engajado, de fato, com a empresa que trabalha. Os maiores e mais expoentes líderes que começaram por níveis menores da escala organizacional, certamente exalavam o espírito da empresa.

A dedicação de um colaborador que também vive o clima corporativo e os anseios da empresa é fator decisivo para o seu crescimento dentro dela. E fora também.

Quem só olha para o universo dos “Vs” (VR, VT, VA, e etc.), quem só vive dentro do próprio departamento, quem não troca, não contribui e não ousa, deve esperar sobreviver. Enquanto isso, outros, que vão pelo lado oposto, estão olhando mais à frente, para um futuro mais promissor e seguro, porque não há barreiras para sua atuação e seu crescimento.

banner clique
The following two tabs change content below.

Isaac Zetune

Isaac Ramiris Zetune é jornalista, pós-graduado em marketing político e especializado em branded content. É sócio-diretor da Agência Insane e fundador da plataforma EMPREENDA.SE. (isaac@sejainsane.com.br)