Nos últimos tempos, principalmente em meio a atual queda da atividade econômica no Brasil, o negativismo tem tomado conta de boa parte dos profissionais que buscam por um crescimento ou uma carreira profissional de sucesso. Neste cenário, e com o aumento da taxa de desemprego no pais (a Pnad estima 10% para 2016), nós, trabalhadores, nos deparamos com poucas opções:

– Continuar a ser o mesmo e bom profissional, fazendo o que é demandado e esperar que, um dia, existam oportunidades de sobra no mercado.

– Ou adaptar-­se ao mercado e, junto a essas mudanças, conquistar de forma diferenciada as oportunidades que podem ser alcançadas.

Você já escolheu qual caminho vai seguir em 2016? Sabe qual é o impacto para cada uma dessas escolhas?

No ano passado, 232 mil empresas foram abertas, porém, 191 mil deixaram de funcionar. O número é preocupante nesse momento econômico complexo e cheio de desafios. Nesse sentido, quanto mais agimos em busca do sucesso promissor, maior é a chance da estarmos em uma equipe e empresa sobrevivente em meio a esse turbulento mercado.

Para que você, sua equipe e empresa sobrevivam, algumas atitudes tornaram-­se essenciais. São elas:

1. Ir além

Provavelmente você já ouviu a seguinte frase: “lavo minhas mãos”. Essa expressão é utilizada quando alguém quer se isentar de responsabilidades, quando não quer fazer parte de um problema nem mesmo contribuir para sua solução. No trabalho, por exemplo, ela é dita geralmente quando um profissional faz o que é parte da sua função (só porque alguém pediu ou porque estava no checklist) e não se preocupa com todo o restante do processo ou com o resultado final do projeto. Muitos profissionais “lavam suas mãos” e perdem excelentes oportunidades de crescimento.

Mas isso não quer dizer que devemos sair por aí pegando para nós o que é de responsabilidade de outros. É importante salientar que tomar cargos ou funções fora da sua alçada é bem diferente de fazer mais ou ir além. Por exemplo: muitas pessoas recebem um briefing para execução de algum projeto e simplesmente não fazem o mínimo de esforço para questioná-­lo. Aceitam as informações como foram passadas e realizam exatamente o que está sendo pedido. Por que fazer mais do que isso? Pelo simples motivo de que sempre pode haver um ruído na comunicação ou mesmo falha nas orientações passadas.

Todos estamos sujeitos a errar. Se o profissional analisar a fundo o briefing, e não apenas executá-­lo sem pensar, ele pode ajudar a corrigir o erro logo no início do projeto, evitando retrabalhos e até possíveis prejuízos irreversíveis. Assim, é possível ir além e ajudar na redução de falhas nos processos e, por consequência, contribuir para um resultado final de sucesso.

Portanto, é preciso pensar mais no todo, estar sempre atento e receber as demandas com um pouco mais de reflexão e crítica. Comece vendo e analisando melhor as demandas que você recebe, um simples questionamento já faz de você um profissional que vai além.

2. Fazer o que é certo

Esse tema tem sido foco de muitos debates nos últimos tempos, principalmente pela enxurrada de notícias sobre corrupção no país. Seria ótimo se todos seguissem os valores da nação e, assim, agissem em favor de si, porém, sem prejudicar quem está à sua volta.

Perfeito, não é mesmo? Utópico até para alguns. Mas isso chama-­se Ética. É uma pena que muitos não carregam isso consigo e acabem optando por um caminho mais fácil e/ou mais rápido, ao invés de fazer o que deveria ser certo. Mas, por que será que muitas pessoas agem assim? Com um exemplo corriqueiro e, para alguns, infelizmente, banal, já é possível entender que não é tão simples quanto parece fazer o que é certo. É só parar para pensar na quantidade de pessoas que jogam lixo na rua bem na sua frente. O que você tem feito em relação a isso?

(A) Ignora

(B) Faz cara feia

(C) Recolhe o lixo

(D) Pede para a pessoa recolher o lixo do chão

Já ouvi casos em que deixar lixo no chão da sala foi usado até mesmo como estratégia para teste de seleção de profissionais – o que mostra como, para algumas empresas, atitudes corretas são requisitos fundamentais para um profissional. Mas, vamos lá, mesmo que, na melhor das hipóteses, você recolha o lixo, entende-­se que está ainda em uma condição cômoda, de não ter que enfrentar o que não concorda. Agora, se rapidamente você se identificou com a resposta da letra “D”, saiba que já está a poucos passos de se tornar um profissional de sucesso.

Afinal, fazer o que é certo nos faz estar em evidência, mas para isso é preciso enfrentar alguns desafios e ter atitude para que haja alguma mudança em seu ambiente.​​ Além de precisar usar muito mais a razão para a tomada de decisão, quem faz o que é certo também acaba enfrentando o julgamento de outras pessoas. Afinal, nem sempre a atitude correta é a mais popular.

Lembre-­se bem disso, fazer sucesso é estar disposto a ser julgado. Quanto maior o seu sucesso, maiores serão as críticas. Esteja preparado.

3. Saiba ser egoísta

Você deve estar se perguntando: como uma atitude aparentemente tão negativa pode gerar algo bom pra minha carreira profissional? Pode parecer algo feio a se fazer, mas ser egoísta, ou melhor, saber ser egoísta no momento certo lhe trará tantas coisas boas que você mal pode imaginar. Além disso, já adianto para não confundir ser egoísta com “nunca ajudar aos outros” ou “não saber compartilhar”.

“Saber ser” é diferente de “ser” egoísta. A pessoa que simplesmente tem essa atitude de forma despropositada, acabará apenas sendo mais um ser humano que só pensa em si próprio, com excesso de orgulho e presunção. Diferente disso, se você aprender a ser egoísta, estará agindo com muito mais consciência, ou seja, entenderá qual é o momento certo de dizer “não” e pensará de forma positiva mais em si mesmo.​

Portanto, quando você estiver trabalhando, procure sempre ter o máximo de projetos planejados e organizados, com prazos e graus de importância para você e para a empresa. Assim, ficará mais fácil pensar mais em si do que nos pedidos menos importantes que aparecem no decorrer do dia.

Essa atitude não só contribuirá para que você alcance de maneira mais rápida o seu objetivo, como também ajudará você a ter foco sempre que preciso. Algumas técnicas podem ser úteis nesse sentido. Por exemplo: ler os e-­mails apenas três vezes ao dia – ao chegar pela manhã, após almoço e antes de sair –, como recomenda Thais Godinho, autora do blog Vida Organizada (saiba mais aqui). Dessa forma, você ganhará mais tempo para você. Muitas pessoas não se desligam do e-­mail e poderiam produzir muito mais se parassem menos vezes por dia para checar cada mensagem que chega. E reforço: essa é apenas uma tática de como pensar mais em si e selecionar as atividades que irá fazer, sempre de acordo com o SEU objetivo e não o dos outros.

Pense o seguinte: O que é urgente para a empresa? Isso sim será sempre o mais importante.

4. Saber falar e ouvir

Parece simples, repetitivo, óbvio e, talvez, até clichê. Mas se você refletir, verá que dá para contar nos dedos as pessoas que além de saber ouvir sabem também falar. Assim como no tópico anterior, não se trata simplesmente em falar ou ouvir, mas sim de saber usar essas ferramentas da melhor forma, ou seja, de maneira mais consciente e inteligente. ​Esse tópico é tão importante que caberiam aqui mais vários artigos para descrever todos os passos e formas de falar e ouvir. Falar é muito mais do que usar a boca para se comunicar, a voz tem uma importância em nosso crescimento e sucesso quase que imensurável (se tiver interesse em aprender mais sobre esse tema, clique aqui e confira o meu artigo sobre Voice Branding).

Especialistas no assunto, como Pedro Camargo, autor de vários livros na área de Neuromarketing, afirmam que falar de forma completamente consciente é cientificamente impossível, já que, para nos comunicarmos, utilizamos muito a parte inconsciente do cérebro. Mas isso não é justificativa para sair por aí falando sem pensar.

E se começássemos a fazer um pequeno exercício, onde pararíamos por cinco segundos e pensássemos no impacto da fala que estamos prestes a comunicar, será que não reduziríamos os problemas que enfrentamos no dia a dia? Ou ainda, será que pensar alguns segundos sobre o real valor da nossa fala em relação ao que queremos comunicar não ajudará a obtermos mais foco no que realmente importa? Pode ter certeza que sim.

Uma dica para saber se vale mesmo à pena falar o que você estiver planejando comunicar, é fazer os seguintes questionamentos: o que mudará a partir do momento em que eu falar isso? Vale a pena? Será que não há uma outra forma melhor de dizer isso?

É comum vermos pessoas discutindo horas e horas no trabalho, atrasando reuniões, simplesmente por não pararem um segundo para analisar o motivo do não entendimento do outro. A grande maioria permanece no mesmo ponto, repetindo insistentemente a fala, para que, quem sabe, com a repetição, o ouvinte aceite de vez o que está sendo empurrado para dentro da sua cabeça de forma nada eficaz.

O mesmo acontece no outro sentido: ouvir. E quando falo em saber ouvir não é o simples fato de estar calado e deixar o outro falar. Saber ouvir é identificar, nos pequenos gestos de quem comunica, o que realmente ele quer em meio a tantas palavras. Na maioria das vezes, falamos muito, mas dizemos pouco. Para ajudá­-lo quanto a isso, recomendo a leitura do livro “O corpo fala”, de Pierre Weil e Roland Tompakow, que desvenda a linguagem silenciosa da comunicação não­ verbal.

A audição também é importante para saber não só ouvir o outro, mas também a nós mesmos. Muitos podem chamar isso de intuição – comento a respeito dessa virtude muito longe de qualquer misticismo, pois saber ouvir a própria mente é saber seguir seus pensamentos de forma mais consciente. Nesse sentido, o que acontece muitas vezes é que diversos profissionais se deixam enganar pelo seu ego, que os cegam, ou melhor, os deixam surdos, e, ao invés de se preocuparem com o que realmente importa, acabam tomando a decisão sem levar em consideração o que os outros têm a dizer. O que nos leva à próxima atitude fundamental para o sucesso.

5. Ignore seu ego e não sua intuição

O último e não menos importante tópico precisa existir para que todos os demais possam ser efetivamente concretizados. Colocar em prática todas as atitudes descritas anteriormente jamais se tornará possível se você não souber lidar muito bem com seu ego, e muito menos se não souber ouvir sua intuição.

O ego pode ser, muitas vezes, paralisante e distorcer sua visão, sua audição e seus valores. Paralisante porque, se você se preocupa demais com o que os outros pensam, jamais conseguirá tomar uma ação que acredita ser a certa. Se você se importa com o que vão falar de você e tem medo de fazer qualquer coisa por conta disso, não vai ser capaz de tomar uma decisão racional e falar o que deve ser dito.

E o ego age distorcendo nossas ações quando fazemos de tudo para alimentá-­lo, sem enxergar os outros à nossa volta. Você já deve ter se deparado com pessoas que teriam um potencial maravilhoso para serem profissionais de muito sucesso, porém, devido a uma grande preocupação com o próprio ego, acabam passando por cima de tudo e de todos para obterem o que desejam. Desta forma, esse tipo de profissional acaba prejudicando a própria carreira e deixando de fazer parte da equipe, que não tolera esse tipo de comportamento por muito tempo.

Nesses casos, vale seguir o conselho do nosso querido professor de sucesso, Steve Jobs: “Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E, mais importante, tenha a coragem de seguir seu coração e sua intuição. Eles, de alguma forma, já sabem o que você realmente quer se tornar. Tudo o mais é secundário.”

Se você continuar a ser o mesmo e (apenas) bom profissional de sempre, é possível que até tenha seu lugar reservado, mas não conte com grandes chances de crescimento.

Agora, se você quer evoluir e se destacar no mercado, é preciso que reflita sobre o momento que estamos vivendo e adapte-­se a essa nova realidade para conquistar toda e qualquer oportunidade que possa aparecer. É claro que é preciso paciência e também muita experiência para conseguir realizar todos esses itens citados acima e se tornar um profissional de sucesso.

O importante é: fazer o que é certo, pensar sempre em você, estar constantemente em busca do seu melhor e viver sem medo de errar. Isso é o que vai fazer você chegar onde quer chegar.

banner clique
The following two tabs change content below.
Especialista em gestão de marketing com mais de 10 anos de experiência. Formada na área de Comunicação e com MBA em Marketing, experiência em Startups e em projetos de marketing internacionais, envolvendo países como Estados Unidos, México e Portugal.

Latest posts by Gabi Gonçalo (see all)