Você sabe o que é uma comunidade de prática? Não? Então vamos tentar por um pouco de luz sobre o assunto!

Uma comunidade de prática nada mais é do que um grupo de pessoas que se reúne para discutir sobre um mesmo interesse, geralmente ligado às suas atividades de trabalho, seja para achar a solução de um problema ou para desenvolver e capacitar pessoas e processos. Uma comunidade de prática se estrutura dentro dos conceitos sociais praticados pelo ser humano, tendo como palavra chave a interação, que pode acontecer sob os aspectos presencial, eletrônico ou um híbrido desses dois.

As comunidades de prática podem ser consideradas uma das várias faces da gestão do conhecimento. Com elas, é possível uma empresa reter ou trocar o conhecimento entre seus colaboradores, padronizar processos, estabelecer e disseminar melhores práticas, dentre tantas outras possibilidades. As aplicações são inúmeras, você imagina e elas realizam!

O mais bacana em se trabalhar esse tipo de ferramenta é que a empresa pode usar o seu capital intelectual tanto para soluções de problema como para inovação. Em outras palavras, é possível multiplicar expertises específicas entre os profissionais, desenvolvendo um potencial e perpetuando na empresa o conhecimento de atividades e processos, além de criar um vínculo entre as pessoas em torno do trabalho. E o que é necessário para essa realização? Ter um desafio compartilhado, um processo ou uma prática, somando com pessoas envolvidas com a proposta de trabalho e com o conhecimento para desenvolvê-lo.

Mas o que faz uma comunidade de prática ser considerada como tal? A existência de três elementos: domínio, comunidade e prática. O domínio é a identidade da comunidade, aquilo que só os seus membros sabem fazer na organização. Já a comunidade, conceitualmente falando, é o elo de ligação entre seus membros, os interesses em comum relacionados ao domínio da comunidade, a base para os temas que serão discutidos. É esse senso de comunidade que fará as pessoas se ajudarem mutuamente, compartilhando conhecimentos adquiridos com a prática ou academicamente. Uma ligação que dispensa a necessidade das pessoas se conhecerem diretamente ou trabalharem juntas todos os dias, basta terem o mesmo interesse e quererem aprender e compartilhar.

O último item é a prática, talvez o mais importante, afinal a ideia não é ter apenas pessoas interessadas ou curiosas sobre um assunto e sim de pessoas que tenham conhecimento para compartilhar. Os membros de uma comunidade de prática devem ser pessoas ligadas ao domínio da comunidade. Isso é essencial para que histórias e experiências sejam trocadas, boas práticas para formas de resolução de problemas compartilhadas, e um novo horizonte seja expandido, criando novas possibilidades. É a soma destes três elementos que a mantém ativa e sustentável, isso tornará a organização cada vez mais competitiva.

Se interessou pelo tema? Quer saber como montar uma comunidade de prática na sua empresa? Falaremos disso no próximo artigo! Até lá!

banner clique
The following two tabs change content below.

Marcelo Oliveira

Jornalista e entusiasta da Gestão do Conhecimento e Inovação, com uma passagem de 17 anos pela EMBRAER, onde atuei na edição de Publicações Técnicas e como focal point de inovação. Estruturei e estive a frente de um programa voltado a conectar pessoas, ajustar processos, melhorar a comunicação e aplicar uma gestão colaborativa e inovadora de equipes, ajudando a desenvolver o potencial humano, através do engajamento e da capacitação. Em paralelo, como freelancer, produzi textos para a revista Villaggio Panamby e para o site infoescola.com. Fundei a Inovadoramente Consultoria para oferecer serviços em gestão de equipes e comunicação. Também sou conteudista no Ideia de Marketing e na Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, além de professor de Pós-Graduação na ESPM, dentro do Centro de Inovação e Criatividade.