David Meerman Scott em seu livro Marketing e a Comunicação na Era Digital pontua fortemente o fato de que as velhas regras de marketing são completamente ineficazes em um mundo on-line. O mundo mudou bastante nos últimos 15 anos e o marketing evoluiu rapidamente.

Antigamente o marketing era focado muito mais em publicidade ou o design da embalagem/produto. A propaganda precisava atingir as massas. Quanto maior o ibope no plim-plim, maior é quantidade de pessoas “impactadas pela marca”. A publicidade em si, era quase que exclusivamente de interrupção, ou seja, dependia de interromper o que a pessoa estivesse fazendo (lendo, assistindo ou ouvindo) para chamar a atenção delas com uma mensagem que às conduzissem à uma ação. O marketing era uma via de mão única (a empresa falava e o público reagia ou não àquela mensagem sem poder interagir). Era focado exclusivamente em vender o produto/serviço, e poucos foram além dessa abordagem até o começo dos anos 2000. A criatividade era o bem mais precioso do marketeiro/publicitário, tendo em vista que a mensagem precisava interromper o que o público estivesse fazendo, isso aconteceria mais fácil se o mesmo fosse um gênio criativo. Era mais importante para as agências canalizarem suas energias para fazer campanhas que ganhassem prêmios do que para fazer com que seus clientes conquistassem novas contas, novos mercados, aumentar seu volume de vendas e/ou ampliar seu marketshare (hatters gonna hate). Quanto mais premiada uma agência era, maiores eram os clientes que ela possuía em seu portfólio.. O marketing, a publicidade, o comercial e o RP trabalhavam totalmente separados, fazendo com que cada um tivesse objetivos separados e, por vezes, causando conflitos entre as áreas.

curso-onlineAs novas regras do marketing estavam forçando os profissionais a se reinventarem numa velocidade absurdamente assustadora e, arrisco a dizer, que os profissionais que forem saudosistas, ficarão para trás em um curto espaço de tempo. O marketing vai muito além da publicidade. Ele precisa ser pensado, precisa ser estratégico, preciso, gerar atenção sem interrupção, despertar interesse, de modo a fomentar o desejo no coração e na mente do interlocutor forte o suficiente para o fazer entrar em ação. O que você diz mostra ao mundo aquilo que você acredita. Como diz Gil Giardelli: “você é o que você compartilha”. E como diz Conrado Adolpho: “dê o seu melhor conteúdo de graça”. O público hoje quer marcas autênticas.

Convenhamos, o mercado está cheio de experts ousados, mas que no fundo são vazios. Compartilhar conteúdo de qualidade no momento exato que o seu público precisa dele, faz a sua marca sair do estágio da interrupção e passar para o estágio da solução do problema. Sendo assim, o foco do novo jeito de se fazer marketing é tirar o foco do produto e colocar o foco na solução do problema do cliente. Também se deve tirar o foco do mercado de massa e passar a pensar em nicho/super-nicho/hiper-nicho. O novo jeito de se fazer marketing não tem relação nenhuma com ganhar prêmios, e sim fazer a empresa fechar mais negócios. O novo jeito de fazer marketing conduz o cliente em seu funil de compra com estratégias bem definidas para cada fase. Ajuda o cliente a conhecer a solução para o problema dela, ajuda o cliente a avaliar entre eles e a concorrência, ajuda a comprar, gera uma experiência inesquecível na entrega e possui um relacionamento visando o longo prazo.  O marketing atual conversa com o cliente, instrui o cliente, ouve o cliente, se alegra e se emociona com o cliente, o marketing atual conta histórias, ajuda, informa, entretém, compartilha e, principalmente, se faz presente.

Você acredita que o que é ensinado sobre marketing nas faculdades está preparado para um mundo que terá 50 bilhões de equipamentos conectados à internet em 2020?

O velho jeito de fazer marketing está morto, quer você aceite ou não! A grande questão é: você está preparado para conversar, resolver problemas e encantar o seu cliente?

banner clique
The following two tabs change content below.

Julio Lussari

Consultor
MBA em Marketing e Gestão de Negócios, é consultor, ministra oficinas, dá aulas, é palestrante e blogueiro nas áreas de Inovação em Planejamento de Carreira, Empreendedorismo, Inovação em Modelos de Negócios e Marketing Estratégico.