Diante das crises econômicas, ficou cada dia mais difícil manter empregos e conseguir recolocações profissionais. De acordo com uma matéria divulgada agora em abril no G1, a pressão do mercado para o lado da procura está muito mais forte, e isso se deve a desaceleração do mercado que assolou o crescimento esse ano. Em menos de um ano, a taxa de desemprego  subiu de 6,8% para 7,4%.  Quem estuda e procura emprego na área, sabe que ingressar no mercado não é tarefa fácil – a não ser que tenha pelo menos a famosa “indicação”. Conseguir um emprego no cenário em que estamos hoje é sim uma tarefa difícil, mas não impossível. No post de hoje listei algumas dicas de como conseguir uma boa colocação profissional, seja para quem está começando, seja para quem saiu de um empego e está buscando novas oportunidades. Confira!

Elabore um bom currículo

Aí você vem e responde: “tá, isso eu sei”. Vamos com calma. O ato de elaborar um bom currículo nem sempre está relacionado a criar aquele documento de cinco páginas, onde colocamos desde o nosso primeiro emprego como vendedor naquela loja do shopping até a nossa última contratação. Seja objetivo: se você está buscando uma vaga de auxiliar de marketing, por exemplo, deve adicionar à sua experiência profissional aptidões que convençam o recrutador que o seu perfil é adequado para ela, tais como organização de conteúdo, pesquisas, acompanhamento de analytics e social media, etc. Quanto mais objetivo e certeiro na elaboração do seu currículo, maiores as suas chances de contratação.

Separe uma lista com as principais empresas que você trabalharia

Construa uma lista com pelo menos 50 empresas com as quais você gostaria de trabalhar. Pesquise com seus amigos que trabalham na área, consulte seus professores, enfim: pesquise. Pode ser aquela empresa que você sempre sonhou em trabalhar, as que estão em destaque nas mídias e também as que estão oferecendo oportunidades. Dessa lista, pontue quais amigos você tem que trabalham ou já trabalharam lá dentro. Depois marque em todos os nomes listados, numa escala de 0 a 10 sua possibilidade de conseguir uma entrevista, baseando-se nesses 3 critérios: 1) vontade de trabalhar lá, 2) se você conhece alguém que está ou esteve lá dentro, 3) se a empresa está em busca de vagas. Essa análise vai te nortear melhor quais empresas você deve entrar em contato primeiro, e quais você tem mais chances de ser contratado.

Entrando em contato

Nessa fase você vai selecionar as empresas que tenham resposta positiva para os critérios que listei no tópico acima, e vai buscar uma forma de entrar em contato com elas. Já que você conhece alguém que trabalha ou trabalhou lá dentro, fica mais fácil ser certeiro na busca, então peça o contato de quem realmente tem poder de decisão lá dentro. Evite mandar e-mail para o RH ou para o contato da empresa: a maioria das empresas mal abre currículos enviados por estes canais. Se você conhece alguém lá dentro, essa pessoa vai “falar bem de você”, e seu currículo será marcado com um asterisco para ser avaliado com calma.

Os métodos de contratação mudaram, e hoje, os setores de RH ficam malucos com a quantidade absurda de currículos que recebem todos os dias. Eu que trabalho numa empresa de médio porte sei que, na prática, currículos enviados para o e-mail de contato, não funcionam. Pensem comigo: Por que uma empresa contrataria você, se mal te conhece? É bem mais confiável fazer uma entrevista com alguém que é indicação de alguém que já conhecemos e apreciamos a forma de trabalhar.

Não dá para evitar o uso de indicações, afinal, não queremos “qualquer pessoa” em nossa casa. Local de trabalho funciona como uma espécie de família, onde todos trabalham em prol de um objetivo, e na tentativa de evitar erros, buscamos os profissionais que tenham um “relacionamento” mais próximo com os nossos colaboradores. A regra básica da abordagem é enviar uma mensagem curta, sem a intenção inicial de buscar uma vaga de emprego. Demonstre interesse na empresa e diga que quer fazer uma visita, quer conhecer o mercado, o universo da empresa, enfim – mostre que quer aprender com ela.

Conhecendo a empresa

Logo que você conseguir uma brecha para visitar a empresa, comece a pesquisar mais sobre ela – procure saber quem a fundou, em que ano começou, principais focos de atuação, conquistas, portfólio, verifique as notícias mais recentes publicadas no site, etc. Chegando informado na empresa, além de evitar que a pessoa que te receber fique te explicando, vai abrir um leque para que você mostre uma visão de quem está de fora, e que possivelmente pode trazer soluções positivas para o mercado onde a marca está inserida.

Não desista

Pode ser que nas primeiras tentativas não dê certo, da mesma forma que não deu certo para mim nas minhas primeiras também. Mas de tanto a gente bater na porta, uma hora ela abre e a oportunidade aparece. Como falei no começo do artigo, separe uma lista com 50 empresas com as quais você gostaria de trabalhar. Uma hora sua vez chega. Fora isso, a lição é básica e serve para todos: currículo simples e objetivo, com informações sucintas, participação o mais assídua possível nos eventos e workshops da área, boas notas na sala de aula, trabalhos acadêmicos bem feitos (portfólio), contato próximo com pessoas influentes do setor e principalmente professores – já vi muitos casos de estagiários serem contratados por indicação deles.

 E você, quais dicas acha interessante para ingressar no mercado de trabalho? Vou ficando por aqui e até a próxima!

banner clique
The following two tabs change content below.
Publicitária, trabalha com assessoria e gestão da imagem de marcas, produtos e pessoas em Tati Fanti - Gestão da Imagem. É também colunista nos portais MMA Premium e Bjj Girls Mag. Acredita no poder das pessoas e na arte da comunicação como ferramenta de transformação.