Sempre que me coloco a escrever tenho vontade de abrir uma discussão. Escolher e ajustar os principais pontos fazem parte do processo confuso que é discutir com seriedade qualquer tema. Sendo assim, com algumas orientações e um pouco de experiência, ajustei uma espécie de lista de regras que procuro seguir sempre que o movimento da produção de qualquer conteúdo se torna prolixa demais.

Faça um recorte do tema

Quem escreve, seja um pequeno artigo, seja uma rica dissertação, precisa decidir sobre o que exatamente trata. Esta pode ser uma das partes mais complicadas. Escolher sempre quer dizer abrir mão de algo, deixar um assunto para trás. Sendo assim, além de pensar no tema geral, me coloco logo a pensar na esfera micro. Na prática, isso quer dizer o problema em si.

Tenha claro o que quer comunicar

Por mais que se conheça o assunto, é necessário selecionar a tese que norteia aquela comunicação, a mensagem final. Tendo claro o que se quer comunicar fica mais claro como introduzir, quais argumentos selecionar e como concluir. Em alguns momentos, seja produzindo um texto ou uma apresentação, muitos elementos “extras”surgem, mas um planeamento claro ajuda a saber o que “enxugar”.

Cuidado com os argumentos

Mostrar o desenvolvimento do pensamento até chegar à conclusão é crucial para convencer o interlocutor de que as ideias apresentadas são válidas e fruto de algum processo de produção daquele conhecimento. Logo, não se apresentam ideias sem argumentos. Pode ser interessante inclusive dialogar com as teorias que se opõem à tese se as críticas puderem ajudar na retórica. Por outro lado, argumentos demais podem confundir o interlocutor. Selecionar poucos argumentos fortes e apresentar o desenrolar dos mesmos pode ser mais eficaz do que uma série de justificativas.

Introduza e Conclua!

Se a introdução já contextualizou e mostrou sobre o que se fala e onde o assunto se situa, a conclusão expressa claramente o porquê de todo o texto. Concluir é imprescindível para exprimir claramente o ponto do autor, sem aberturas para usos indevidos ou questionamentos enviesados. Concluir é deixar claro o ponto de vista em questão, é reforçar a tese.

Produzir conteúdo não é uma tarefa simples. Pode ser um processo demorado e complicado. Dúvidas, ideias diversas e autocrítica são inseparáveis deste processo. A grande chave é ter clareza na mensagem e foco para realizá-la, escolhendo o que se mantem e o que pode ficar para a próxima comunicação.

banner clique
The following two tabs change content below.

Carolina Feitoza

Pesquisadora de consumo
Cientista Social e estudante de Design de Moda. Apaixonada por antropologia, arte contemporânea e design. Interessada em comportamento, consumo e comunicação. Atua como pesquisadora de consumo.