Os bastidores do Instagram Marketing

Os bastidores do Instagram Marketing

Imagine comigo uma grande vitrine, com várias bancadas. Em cada uma, algo diferente: novas cores, posicionamentos, luz, preços… Imagine ainda, mais de 300 milhões de pessoas (usuários ativos –  vamos chamá-los de vendedores?) abrindo suas janelas para expor suas vitrines? Uma das ferramentas de conteúdo que mais cresce no meio social mobile mostra-se todos os dias um exponencial para o mercado; um recurso positivo, eficaz e claro, desafiador para as empresas e empreendedores. (Inclusive, o Instagram atentou a essa necessidade de expansão, e há pouco mais de um ano, lançou um guia básico para direcionar ideias, o “The Instagram Handbook for Brands”). Quero ponderar nuances de relacionamento desta plataforma para que possa usá-la ao seu favor.

Confesso ficar assustado observando empresas desvalorizando algumas vírgulas, se preocupando somente com o ponto final. O seu objetivo é tornar seu perfil mais comercial? Atente à essas “vírgulas”. A comunicação com seus potenciais clientes está nos detalhes. Segundo o publicitário, assistente de marketing e social media, Rafael Bandeira, a proposta é sempre vender: “Existe uma sociedade mediada pela imagem rápida. Muitos indivíduos usam o aplicativo para expor uma vida por status ou títulos, outros para mostrar sua visão de mundo e percepção de ideais através de fotografias conceituais. Seja um perfil pessoal, corporativo, de educação ou entretenimento, em tudo, o objetivo é vender.”

Relacionamento através do perfil

O nome de usuário é fácil achar e corresponde ao nome da empresa? Não precisa contar todo seu currículo ali (até porque, não cabe!). Informações de localização atual, conceito de marca ou o ano de inauguração, já são indicativos suficientes para que o cliente entenda sua proposta. Vale ser criativo (e muito!), afinal, é uma rede social, por isso, transmitir bom jogo de cintura e soltar um sorriso de canto de rosto no cliente, não tem satisfação melhor. Seja leve.

Relacionamento através do feed

Por enquanto, não há possibilidades de colocar link direto nas publicações, por isso, não informe. Algumas pesquisas de comportamento mostram ser desconfortável para o usuário ter que sair do aplicativo, entrar em outro, digitar o link, procurar, e daí, o sinal se perde e ele não procura mais… Coloque o link na descrição do perfil e direcione o publico a isso. O mesmo cuidado vale para o tamanho das legendas. Existe uma média de 130 caracteres. Não é uma regra. Mas há uma correlação significativa entre o tamanho do texto e a taxa de engajamento.

Não são todos com paciência – ou tempo hábil -, para ler textos grandes (e para estes, existem outras plataformas, como o Facebook, blogs, etc.). Lembre-se que a proposta é se comunicar por imagens e vídeos.  Evite montagens. Em geral, as fotos mais curtidas têm o objeto de imagem em até dois terços da foto, mas repito, não existe uma regra especifica, e sim ponderação e senso comum.  A personalidade de sua marca está na clareza e disposição das informações.

Aquela fórmula de horários estratégicos e quantidade “x” de postagens/dia não são tão relevantes hoje, uma vez que o público está cada vez mais conectado.  70% dos usuários abrem o aplicativo pelo menos 1 vez em seu dia. Todavia, faça um teste de acordo com seu conteúdo, postando em momentos diferentes e veja os resultados. Trabalhe com análise e métricas. Criar uma rotina de postagem gera um sinalizador ao seu público-alvo e estimula a curiosidade. Na dúvida, opte por padronização (texto e edição de fotos). Perfis padronizados, seguindo uma linha de raciocínio das formatações, atraem seguidores mais selecionados.

Relacionamento através dos filtros e edições

Eles não estão ali por acaso. E este é um fator importantíssimo, que aguça muitos debates (lembra da vitrine?). Sugiro pesquisar pelos nomes dos filtros. Existem descrições disponíveis online para o uso adequado de cada um – e muitos outros aplicativos conceituados no mercado para te auxiliar em suas edições. Vale também consultar profissionais das áreas de fotografia, design gráfico, e ouvir suas opiniões – embora, a ausência de filtros é predominante, por transmitir mais autenticidade e originalidade.

Relacionamento direto

Usar o Instagram Direct é uma excelente tática de aproximação (cuidado para não passar dos limites da privacidade do seu cliente). E muitos seguidores irão observar quem você segue, por isso, use este espaço também para parcerias e colaborações.

#hashtags: Um dos maiores trunfos! Não menospreze. Tornam-se hiperlinks dentro da rede. Aqui acontecem networkings e mais possibilidade de visualizações do seu trabalho. Conquiste engajamento explorando perfis de sua área de interesse, mas não seja um spammer. Tanto para empresas como usuários individuais, o que torna o Instagram uma rede de entretenimento é ter seguidores engajados, não números. Use palavras do seu nicho de conexão e aquelas que podem – de fato – referenciar sua foto. Explore! Faça parte de comunidades para se manter informado e crie hashtags exclusivas para o seu negócio.

Relacionamento indireto

Permita que clientes marquem as fotos, e que estas apareçam em seu perfil, naquela aba de “marcações” ou “fotos com você”. Torna sua marca mais humana, quente. Se o seu negócio for local, pode encontrá-lo nas marcações de localização. (Já tive esta experiência quando marquei uma cafeteria, e logo em seguida, curtiram e comentaram minha foto de uma forma muito criativa. Me senti super importante).

Conte uma história através de suas imagens e compartilhe experiências, oferecendo uma nova visão do mundo ou estilo de vida. Se expresse! Ser criativo, dentro de algumas definições fundamentais (preço, praça, produto e promoção) é o grande e maravilhoso desafio do mercado, e o Instagram possibilita estas descobertas, mas lembre, ele é um complemento na consolidação de sua marca. A essência de sua linguagem, conceitos, postura e estratégias estão sendo observados diariamente. Em tudo que se propor a fazer, que seja irreverente e coerente.

(Fonte: algumas informações foram consultadas no infográfico disponível no site “Viver de Blog” por Henrique Carvalho)

0

Arthur Barbosa

Essa coisa de definir coisas... Escritor, professor, colunista e curioso. Produzindo o terceiro e-book. Licenciando em Filosofia, com foco nas artes e comportamento. Não vive sem séries - e dramas. Melancólico e péssimo de cozinha. O 2º livro #AConstrucaoDoOlhar PDF free aqui ó: bit.ly/aconstrucao | Vídeos sobre os livros em youtube.com/user/arthiebarbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *