A lista de pontos que levam um empreendedor a acabar sua startup, consciente ou inconscientemente, é enorme. A minha percepção de consultor em planejamento e estrategista é de que a maioria das startups pecam justamente no start, na concepção do produto/serviço, no planejamento e na execução, aumentando bastante a taxa de mortalidade. Sabemos que falhar faz parte do processo, assim como o desenvolvimento continuo. No entanto, aprender a preencher as lacunas de conhecimento e competência nos garantem uma certeza maior no mundo empreendedor.

Recentemente o The Founder Institute publicou um infográfico em sua página com uma porção de pontos que levam as startups a morrerem. Não acredito que a startup morra sozinha, e sim que o(s) gestor(es), de alguma maneira, dão cabo na vida delas simplesmente por cometerem erros que vão de pontos simples a grotescos. Aproveitei o insight ao ver o infográfico e trouxe cinco maneiras de como acabar com a sua startup:

1. EUquipe

A primeira forma de acabar com uma startup é trabalhar com EUquipe. É possível fazer tudo sozinho até certo ponto, depois se torna inviável. Se o negócio não crescer o suficiente nesse meio tempo e não houver recursos financeiros para contratar mão de obra, o empreendedor ficará sobrecarregado até que o negócio desande e se encerre.

2. Não acertar o timing do lançamento


A demora no lançamento, bem como o lançar cedo demais, são outros pontos comuns que contribuem para a taxa de mortalidade das startups. Ok, quando devo lançar minha startup então? Quando você tiver fatos concretos! Descubra um nicho, encontre um problema/ necessidade/desejo/oportunidade e crie algo que os satisfaça, valide a ideia com o cliente, faça um protótipo, valide de novo, vá pra cima com unhas e dentes! Não pule etapas, execute cada uma com precisão cirúrgica e no tempo que elas levarem, não acelere demais e não vá devagar demais, mantenha um ritmo, mantenha a constância.

3. Não ter um público-alvo específico

Não saber com precisão quem é o público-alvo é outro ponto que leva inúmeras startups e projetos ao fracasso. Se todo mundo é seu cliente, ninguém é seu cliente! Saiba quem são, onde estão, o que fazem, quais suas frustrações e expectativas.

4. Contratar pessoas erradas e não saber formar equipes

Uma startup para ter maiores chances de êxito precisa ter profissionais competentes, capacitados e apaixonados. A velocidade e dinâmica em uma startup é diferente, é tudo muito mais rápido, pra ontem se possível. Tenha em mente o seguinte: o colaborador têm três meses para aprender, seis meses para apresentar resultados significativos, um ano para estar liderando projetos de expansão ou novos setores, dois anos para fazer parte da gestão do negócio. Dê essa visão de futuro e objetivo para quem você estiver contratando, se em seis meses o cara não aprender e não apresentar resultados significativos, próximo!

5. Virar refém ou viver em função do dinheiro alheio

A maioria dos empreendedores que vivem em função de criar produtos/serviços apenas focando em receber investimento não estão tentando tornar o país e o mercado em algo melhor, estão apenas tentando aproveitar oportunidades de alavancarem e se darem bem no mundo empreendedor. Se você é do tipo de empreendedor que só consegue tirar ideias do papel se tiver investimento de terceiros, reveja seus conceitos, parça! Não pule etapas, investimento é o último passo dentro do Customer Development.

Acabar com uma startup é bem mais simples do que começar uma. Gaste mais tempo na concepção da ideia, do produto ou do serviço, planeje, valide, faça ajustes, conquiste os primeiros clientes, certifique-se de que seu negócio é viável e que seja escalável, só então procure investimento. Repito: NÃO pule etapas!

Você já acabou com uma startup por causa de algum desses cinco pontos? Compartilhe conosco o que aconteceu, o que você aprendeu e o que fez de diferente na próxima.

banner clique
The following two tabs change content below.

Julio Lussari

Consultor
MBA em Marketing e Gestão de Negócios, é consultor, ministra oficinas, dá aulas, é palestrante e blogueiro nas áreas de Inovação em Planejamento de Carreira, Empreendedorismo, Inovação em Modelos de Negócios e Marketing Estratégico.