O marketing esportivo e a saúde em primeiro lugar

O marketing esportivo e a saúde em primeiro lugar

Há quem diga que somos o que comemos e, mais do que isso, como dedicamos nossa rotina ao bem estar de nosso corpo, mente e até espírito. Essas definições de identidade estão ainda mais explícitas no meio fitness e esportivo, em um processo mais amplo. Por isso, a proposta do mercado é o investimento em associação – e afirmação – das marcas com seus produtos: categóricos e diretos. Mas existem equívocos na gestão destes processos, diante da massificação de informações encontradas. Muitas informações disponibilizadas sem a preocupação social. Se você está pensando em investir na área ou apenas curioso nesta particular ramificação do marketing, convido você a estudar comigo alguns princípios que podem clarear ideias e pensamentos sobre esse tema.

Historicamente, sua evolução e desenvolvimento foram influenciados pelas mudanças no tamanho do mercado, pela taxa de crescimento deste, a rentabilidade industrial, política governamental, a disponibilidade de recursos para investimento em marketing, mudança tecnológica, pelas preferências do consumidor e pela economia nacional. E é nessa perspectiva que surge o tão temido e famoso patrocínio, que pode ser definido como a aquisição dos direitos de afiliar ou associar produtos, eventos, marcas, com o intuito de diversificar e ampliar os benefícios obtidos com essa associação. (CONTURSI: 1996). Talvez esta palavra seja mais usada no esporte, não é verdade?

Mas você sabe o que de fato seria um patrocínio? De acordo com Contursi, ele é constituído de alguns importantes itens, que permitem os direitos de utilização de logotipos, nomes, marcas e/ou representação gráficas, significando uma conexão do produto com o evento. Estes direitos podem ser utilizados em publicidade, promoções, propagandas ou outras atividades que sejam empregados pelo proprietário; o direito de exclusividade na associação de um produto ou categoria de serviços; o direito de intitular um evento ou instalação esportiva; o direito de intitular várias designações na conexão com um produto/evento, tal como “patrocinador oficial”; o direito sobre a utilização de um serviço ou produto; o direito de conduzir determinadas atividades promocionais, de acordo com o contrato de licenciamento. Isso pode ser verificado de forma explícita no futebol brasileiro, por exemplo. O valor da marca está na vinculação de clubes populares a tais marcas, o maior poder de venda e maior divulgação junto à mídia. Surge, assim, uma nova tendência para os clubes patrocinados.

No Brasil, o Instituto Brasileiro de Marketing Esportivo – IBME, criado no ano de 2006, promove o desenvolvimento do marketing esportivo, realizando ações como organização de eventos, pesquisas e o engajamento entre os profissionais da área. Vale a pena pesquisar mais nestas diretrizes, se o seu foco for mais acadêmico.

Até aqui, caminhei com você em uma abordagem mais universal. Vamos pensar agora com o foco mais restrito. Conversando com profissionais que atuam na área de gestão esportiva o que constantemente frisaram foi o serviço. Aquele princípio que muitos não atentam: relacionamento – fidelização – qualidade. São estes pilares que precisam nortear sua empresa fitness. Há muitos bons exemplos de academias que priorizam a satisfação e informação do cliente: profissionais prontamente treinados em te direcionar a exercícios específicos para sua saúde, com atendimento personalizado, disponibilidade de horários para os exercícios, climatização do ambiente – e inclusive com rádios próprias, modernização (e maior disponibilidade) dos equipamentos, limpeza dos vestiários e, talvez um dos mais importante, respeito pelo seu limite, caminhando e quebrando barreiras junto com você.

Ou seja, o Marketing Esportivo abrange o marketing do esporte e o marketing através dele; refere-se à aplicação específica dos processos do marketing; a utilização do esporte como ferramenta de comunicação corporativa ou institucional. Em outras palavras, é a priorização da saúde (ou o que espera ser). Então se preocupe em ter uma visão saudável. Lembre-se que é a força da sua marca. Se fossemos conversar sobre a indústria alimentícia por exemplo, em como ela está associada à saúde esportiva; a nutrição e o que o mercado disponibiliza neste segmento, seria necessário outro artigo, mas acredito que até aqui, pude te explicar como o marketing é significativo neste ramo.

Dedique-se a saúde, no que é bom e agradável. Em o que te faz querer conquistar mais. De tudo que se possa pensar, pense em avançar com diferenciais. Primeiro mude sua rotina para que depois você possa influenciar outros com experiências mais saudáveis.

0

Arthur Barbosa

Essa coisa de definir coisas... Escritor, professor, colunista e curioso. Produzindo o terceiro e-book. Licenciando em Filosofia, com foco nas artes e comportamento. Não vive sem séries - e dramas. Melancólico e péssimo de cozinha. O 2º livro #AConstrucaoDoOlhar PDF free aqui ó: bit.ly/aconstrucao | Vídeos sobre os livros em youtube.com/user/arthiebarbosa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *