Algumas coisas que aprendi sendo mentor de um Startup Weekend

Algumas coisas que aprendi sendo mentor de um Startup Weekend

No último final de semana, fui um dos mentores do Startup Weekend Mobile aqui em São Paulo. Foram 54 horas com vários empreendedores, ideias interessantes, em um ambiente bem descontraído e com bastante energético, quitutes e cerveja.

Ver a evolução tanto dos projetos, quanto dos participantes, foi uma experiência sensacional, e mesmo sendo um dos mentores, aprendi muito nesses dias.

Antes de falar sobre elas, para quem não sabe, o papel de um mentor em uma startup é justamente compartilhar a experiência dele, auxiliando em questões que as startups encontram dificuldades, tentando mostrar alternativas e sempre fomentar a criatividade dos envolvidos, trazendo novas perspectivas e ideias.

 Agora, vamos aos pontos:

 A intensidade pode ajudar [e muito] a florescer ideias

Foram 54 horas intensas para validar uma ideia, criar mockups navegáveis (a campeã SozinhoNao conseguiu desenvolver o app!), preparar modelo de negócios e fazer o pitch. De ideias espalhadas no primeiro dia, a defenderem a ideia como se já existissem há anos no último, é interessante ver como a intensidade pode trazer resultados fantásticos.

A superação desperta novas habilidades

A mescla das equipes com skills diferentes é sempre um ponto muito importante. Mas, às vezes a falta delas desperta novas habilidades que não imaginamos. A Cheap My Ride, conquistou o 4º lugar, mesmo sem desenvolvedor algum na equipe!

 Equipes alinhadas, ideias desenvolvidas, tempo certo

A demora na decisão do MVP (Minimum Viabel Product) pode fazer startups perderem o tempo certo e aproveitar algum gatilho para o lançamento, mas quando o time está alinhado com os pontos a serem atacados, a velocidade na construção do MVP pode ser um grande diferencial. A equipe que ficou em 2º lugar (MercadoLivro) teve um consenso rápido dos integrantes e conseguiu até vender.

Por outro lado, outras equipes, mesmo com ideias bem interessantes, não conseguiram desenvolvê-las em tempo hábil por conta de demorarem a entrar em um consenso do que fariam.

Independente do vencedor, foi incrível ver o empenho, dedicação e paixão dos participantes e a evolução dos projetos. Mais ainda, uma felicidade imensa em participar de todo o processo e aprender MUITO também. São de iniciativas como essa que nós, profissionais, nos desenvolvemos, descobrimos novas habilidades e por que não, criamos produtos que fazem diferença na vida das pessoas?

 

0

Arthur Castro

Respira Mobile e inovação. Sempre conectado com algum iGadget, é exemplo vivo dessa geração "alguma letra". Além de escrever aqui e em outros blogs, é palestrante e passa os dias criando apps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *