Em 2011, quando Steve Jobs faleceu, todos ficaram preocupados com os rumos que a Apple tomaria. Desde então, vimos a evolução dos iPhones, com algumas novas funções, mas, o famoso bordão “one more thing…” que levava ao delírio todos que acompanhavam os eventos, ainda estava ausente nas apresentações de Tim Cook.

Agora não mais. Ontem, os ‘applemaníacos’ lembraram um pouco da “Era Jobs”. Novos produtos, novos serviços e um novo mercado, com uma platéia eufórica e novidades bem interessantes, que mesmo não agradando a todos, mostram que a Apple está disposta a entrar forte em novos mercados.

Novos Produtos (iPhone 6 e iPhone 6 Plus)

iphone 6Telas maiores (4,7’ e 5,5’). Aparelhos mais finos com design exterior renovado. Processadores bem mais potentes que registram até degraus de escada. Câmeras mais precisas para diversas situações do dia a dia. Também teve o anuncio do iOS 8, que estará disponível a partir do dia 19/09, mais uma vez gratuito. Os novos iPhones suportam mais bandas LTE que qualquer outro smartphone e, inclusive, é compatível com a nossa banda. A ideia de um “iPhone Global”, pode ajudar ainda mais nas vendas, visto que minimiza os problemas de ter que esperar um modelo específico pra chegar em determinado país.

Apesar de dizerem que a Apple está copiando os concorrentes e não ‘criando’ novos mercados, mais uma vez fica claro que a “Era Cook”, quer deixar uma marca no universo, mas principalmente, uma marca na maior fatia possível do mercado. E para os concorrentes, fica a ameaça da Apple ir em busca da liderança de mais um mercado, onde os concorrentes não achavam que a maçã entraria.

Novos Serviços (Apple Pay)

Pagamentos com um toque. Simples e prático.

Apesar de ser importante sim lançar para testar, é interessante observar que a Apple preparou o território bem antes de lançar sua solução em pagamentos.

Do mesmo jeito que já tinha feito anos atrás com o iTunes, anunciou o Apple Pay com diversas parcerias, mostrando que sabe negociar. O touch ID já está na sua segunda geração, fechou diversas parcerias com grandes players de diversos segmentos (Mc Donald’s, Subway, Disney, Nike, Sephora…) e será possível utilizá-lo em uma série de aplicativos. Também uniu tecnologias existentes (o NFC) e em tempos de privacidade, bigdata e vazamento de dados, incluiu o SecureElement, que armazena as informações de forma criptografada. Quando você faz uma compra ela gera um número de transação para apenas aquela compra (algo parecido com os tokens dos bancos).

Tim Cook já tinha dito que apesar de algumas soluções existirem há um tempo, ainda usamos a carteira no bolso. Será que o iPhone irá substituir ela também?

One more Thing… Um novo mercado (Apple Watch)

Apple watch

Apesar das telas flexíveis ou design futuristas não aparecerem, vimos 2 tamanhos e 3 modelos. Sensores especiais para coletar dados e um WatchKit para desenvolvedores criarem notificações acionáveis, apps e widgets, desde abrir porta de carros e quartos. A Apple preparou o território e mostrou que isso não é um gadget apenas para geek (como os lançados até hoje se parecem), tentou aproximá-lo o máximo com um relógio que usamos hoje, até a imprensa especializada de moda foi chamada, e o “digital crown” é mais uma prova disso, um botão físico que interage com a tela, assim como o botão pra ajustar horário dos relógios não inteligentes (se alguém já leu a biografia do Jony Ive, vai ver que claramente isso foi um toque dele e do mantra “história do produto” que ele defende). A Apple deixou claro, ao contrário de alguns outros smartwatches, o Apple Watch é um acessório do iPhone e não um dispositivo independente. Faz todo sentido, visto que substituir todas funções de um telefone em menos de 4 polegadas é altamente perigoso e complicado. Os wearables que já estão inundando o mercado há um tempo, agora vão ter que se preparar com a integração e usabilidade já conhecida da maçã.

O anúncio meses antes do lançamento, deixa uma mensagem para os concorrentes: “prepare-se, estamos chegando pra entrar nessa briga também.”

Algumas coisas ficaram no ar, como a duração da bateria e se terá armazenamento interno, mas como o lançamento será só em 2015, ainda há muita informação para ser divulgada.

A integração do iOS 8 com o Yosemite (Sistema Operacional dos computadores da maçã) e a transmissão de várias informações precisas entre os iGadgets (Apple Watch, Apple Pay, iPhones e Macs), mostram que a Apple está apostando em features que realmente fazem diferença no dia a dia dos usuários. Mais uma vez, a integração e a agilidade prometem ser um dos grandes atrativos do ecossistema Apple.

banner clique
The following two tabs change content below.

Arthur Castro

Respira Mobile e inovação. Sempre conectado com algum iGadget, é exemplo vivo dessa geração "alguma letra". Além de escrever aqui e em outros blogs, é palestrante e passa os dias criando apps.