Desde que entrei no mercado de startups e tecnologia, comecei a ver algo que até então não era tão comum no meu cotidiano: pessoas trabalhando em pé. Inclusive é super comum nesse ambiente.

Achava no mínimo curioso, já tinha lido algumas matérias sobre (essa aqui da Fast Company é bem interessante), mas pela preguiça, por adorar ficar esparramado na cadeira (quem nunca?) e já prevendo o ‘cansaço’, não pensei em testar. Mas, em uma das minhas viagens para um outro escritório da Movile, acabei testando uma e me surpreendi. E quando perguntava para as pessoas que usavam a tal da “standing desk”, apontavam muito mais vantagens do que desvantagens.

Como um cara de produtos que sou, quis testar mais afundo e entender se realmente tinha alguma vantagem em trabalhar de pé, então fiz o pedido para ajustarem minha mesa e comecei a testar. Já faz três meses que estou assim, e quase diariamente alguém passa pela minha baia e vem perguntar o por quê, inclusive, já até fiz escola e outras pessoas também estão testando agora. Mas e ai, quais são as vantagens?

Postura e respeito ao corpo

Foi a primeira coisa que notei de diferente e muito rápido.

Logo na segunda semana da experiência, minhas dores tinham reduzido e minha postura tinha realmente melhorado. E ao contrario de quando eu trabalhava sentado, agora percebo mais claramente os “pedidos” do corpo. Quando minhas pernas acusam o cansaço, sento na banqueta por um tempinho. Ah! eu não fico 100% do tempo em pé. Tenho uma banqueta que uso as vezes (e me sinto em um balcão de bar), mas ela tem um encosto, que força a ajustar a coluna. Enfim, sempre fiquei ‘largado’ na cadeira, o que acabou me rendendo algumas fortes dores na coluna diariamente, por conta do posicionamento na cadeira e isso reduziu drasticamente depois que passei mais tempo em pé.

em pé

Atenção

Um pouco depois que comecei o teste, parei também de tomar café (triste, mas todo dia tomava algo em torno de 1,5L, o que definitivamente não estava me fazendo bem). Então aquele típico “cafézinho para acordar” já não fazia mais parte do meu cardápio, o que naturalmente já exigia um pouco mais de atenção. Os eventuais cafés, chás, águas e cervejas que caem acidentalmente sobre a mesa de trabalho também reduziram, porque agora eles ficam no “andar debaixo” e não correm o risco de cair sobre meu teclado, no Mac e nem no iPhone e nos celulares de teste. Além disso, só o fato de ficar em pé já me deixa mais atento. (Até porque se cochilar em pé o tombo é bem maior né?)

Produtividade, agilidade e menos e-mails

Sabe aquele problema que você precisa resolver rápido com uma pessoa em uma mesa próxima a sua, mas a resposta demora horas? Ou você esquece de enviar e só lembra no dia seguinte quando a vê? Então, por já estar de pé, não preciso fazer ‘esforço’ algum para levantar e ir até algum lugar. Reduzi significantemente o envio e recebimento deles. Quando surge alguma demanda, vou até a mesa e agilizo o processo, do mesmo jeito quando recebo algum já vou lá para alinhar as expectativas (as vezes ainda acabo mandando o e-mail para registrar, mas com tudo já alinhado). Ah! Acabei meio que ‘educando’ alguns amigos do trabalho, que agora fazem o mesmo (mas ainda não tenho certeza se é por isso ou se é por me verem em pé no meio do escritório o dia inteiro).

Enfim, recentemente vi um upgrade para a standing: a “walking desk”, uma cadeira acoplada com uma esteira. Talvez o próximo teste seja com ela e pode deixar que conto pra vocês!

banner clique
The following two tabs change content below.

Arthur Castro

Respira Mobile e inovação. Sempre conectado com algum iGadget, é exemplo vivo dessa geração "alguma letra". Além de escrever aqui e em outros blogs, é palestrante e passa os dias criando apps.