A sua primeira aparição foi no falecido ICQ (aoww aoww) e ficou popular quando o twitter adotou essa forma de comunicação. Atualmente são usadas nas redes sociais, na imprensa, TV e em outros diversos lugares.

Os profissionais de mídias sociais têm usado regularmente para descobrir novos conteúdos e se conectar com o seu público, mas e você, como acha que podemos utilizar as hashtags de forma mais efetiva em nosso meio?

Aqui vão 8 dicas de como usar o poder da #hashtag

#deolhonaconversa

Ao criar uma hashtag para associar a um produto, campanha ou evento, você dá aos usuários uma forma de manter uma conversa com a sua marca. Você pode também tocar em uma conversa popular que é relevante para a sua marca e tornar-se um dos principais contribuintes dessa conversa.

#oquedizemporaí

Sua empresa pode promover o seu #novoproduto e se envolver com os clientes em todas as plataformas sem a necessidade de criar páginas especiais ou campanha para cada um. Com as hashtags, podemos pesquisar o que dizem sobre as nossas marcas, olhar os concorrentes, e a partir desse ponto tomar certas medidas.

#agregandovalor

A sua empresa pode criar concursos com hashtags e as submissões geradas pelo usuário podem gerar conteúdo de alta qualidade e serem aproveitadas para diversos fins. Deve-se pensar em maneiras de expandir o seu marketing com as fotos de alta qualidade ou vídeos coletados nas mídias sociais. Marcas experientes estão usando conteúdo gerado pelo usuário em comerciais de televisão, display nas lojas, anúncios sociais e e-mail marketing.

#calltoaction

Quando as hashtags são inseridas em anúncios de televisão ou outras mensagens de marketing, elas alertam aos consumidores, de que eles são convidados a participar, incentivando assim a uma vasta resposta de mídia social que se espalha por todo o Twitter, Facebook, Vine e Instagram. Exemplo recente com a campanha #somostodosmacacos, a qual eu não entrarei no mérito do conceito, mas sim de como a ação trouxe o público.

Obs: Meu amigo de Ideia, Marcus Tonin brilhou abordando o conceito recentemente.

#sempreumbomnegócio

Nem sempre utilizamos a hashtag para mensurar algo, mas por ela estar ali definindo e adjetivando um momento, ela pode muitas vezes fazer com que nós nos lembremos de produtos, serviços ou até marcas. Após o lançamento de bordões como “Sabe de nada inocente” e o novo “ai mamita querida” é opção da marca em questão levar o seu diálogo além do comercial televisivo com a inserção dessas hashtags nas redes sociais, a fim de causar uma remarketing sempre quando o público ver tais hashtags.

#tempodeinovar

O Amex Sync, um programa do American Express, permite que ao sincronizar seus cartões da marca com o twitter e inserir uma hashtag especial, você obtém cupons de desconto em diversos produtos cadastrados no #AmexOffers, ou seja, desconto com uma hashtag e propaganda para seus amigos daquilo que você comprou.

#emtemporeal

As empresas que possuem um raciocínio rápido e um pouco de criatividade podem implantar hashtags para conduzir grande engajamento de mídia social entre os milhões de consumidores que migram para o Twitter durante eventos ao vivo como o Oscar (e o recorde de retweets), Copa do Mundo dentro de alguns dias e as Olimpíadas do Rio que virão por aí.

#menosémais

Uma pesquisa recente do Social Bakers mostra que quanto maior o número de hashtags, menor a interação por postagem. Então todo cuidado é pouco.

(1-2 hastags = 593 interações) (3-5 hastags = 416 interações) (6-10 hastags = 307 interações) (+10 hashtags = 188 interações)

Toda essa utilização do “marketing hashtag” está apenas no seu início. As empresas devem pensar de forma criativa a sua inserção. O objetivo é sempre construir conexões mais estreitas com potenciais consumidores. O poder está em suas mãos, porém com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades.

banner clique
The following two tabs change content below.

Felipe Dias

Analista de Business intelligence at Agência GRITO.cc
Marketing em formação (2ª graduação), com um MBA em Gestão Empresarial saindo do forno e pensando no próximo. Trabalha como Analista de Business intelligence na agência GRITO.cc. Carioca da gema, apreciador do mate de galão, apaixonado pelo digital, fã de séries, esportes e um bom petisco.