Muitos empreendedores que tiveram a coragem e a atitude de tirar suas Startups do papel e coloca-las à prova no mundo real costumam se questionar: como saber se estou indo na direção certa em um mercado tão incerto? A primeira reação é a de agir intuitivamente, pensar nas decisões uma a uma, na hora em que elas se apresentam e utilizar informações que se consegue obter sem muita dificuldade, na confiança de estar tomando a melhor decisão possível no cenário em questão. Pode dar certo, e muitas vezes dá, mas o risco é alto. Quem gostaria de apostar todas as suas fichas sem saber se a mão do adversário é melhor que a sua?

Mas empreendedorismo não é um tiro no escuro, as Startups podem aprender algumas coisas com o método científico para transformar o caminho do empreendedorismo em uma jornada ao [não tão] desconhecido.

Em setembro de 1980 estreava na TV uma série que mudaria o jeito como as pessoas entendem a ciência: Cosmos, de Carl Sagan e sua esposa Ann Druyan. A série foi exibida para mais de 500 milhões de pessoas e abriu a janela do universo para aqueles não eram cientistas. O talento de comunicador de Sagan, capaz de desmitificar o que até então fora informação científica inacessível, jogou à mesa uma série de discussões sobre a ciência em si e como ela se propõe a tratar de assuntos complexos, como a origem de todas as coisas.

Para produzir qualquer conhecimento dito científico, é necessário obedecer a um conjunto de regras básicas que orientam qual procedimento seguir, chamado de método científico. Mas, ao contrário do que muitos pensam, a utilização do método científico não é exclusiva para pesquisadores e cientistas, qualquer pessoa que tente solucionar um problema pode empregá-lo, e a vida de uma Startup é voltada à resolução de problemas!

Mas, então, o que o método científico pode ensinar aos empreendedores sobre a sua Startup?

1. Evolua

O método científico é construído de forma que a ciência e suas teorias evoluam com o tempo, ou seja, a ciência é um conhecimento provisório. E a Startup deve tratar seu produto ou serviço da mesma forma. Na maioria das vezes são feitas tantas mudanças que o resultado final é algo pouco (ou nada) parecido com a ideia inicial.

2. Colabore

Quando temos uma ideia que nos parece única e inovadora, é natural querermos esconde-la e não dividir com ninguém, com medo de que roubem a nossa ideia. Porém, a história nos mostra outra coisa: empreendedores que compartilham suas ideias com mentores e conselheiros obtêm informações valiosas e orientações que os ajudam a tomar decisões e direcionar melhor seu negócio. É assim que o método científico funciona, o cientista disponibiliza seus trabalhos para que outros possam comprovar (ou não) suas hipóteses.

3. Arrisque-se

É comum ver empreendedores se apegarem tanto à sua ideia ou seu conceito a ponto de rejeitar qualquer indicação de falha do seu produto ou serviço, buscando somente dados que corroborem suas hipóteses. Mas o método científico nos ensina a trabalhar com o falseamento, ou seja, testar suas hipóteses procurando não apenas evidências de que ela está certa, mas sobretudo evidências de que ela está errada. Teste o seu produto ou serviço buscando evidências de que ele não funciona, assim você conseguirá aprimora-lo e obter melhores taxas de sucesso.

Empreender não é uma tarefa fácil, mas séries como Cosmos e o método científico nos inspiram a utilizar todo o conhecimento que conseguirmos produzir e reunir, para apontar a Startup na direção certa e, quem sabe, alcançar o status de estrela.

banner clique
The following two tabs change content below.

Sued Lima

Especialista em Operações de Negócios at Accenture
Graduado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco, atuou nas áreas de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas, Marketing, Vendas, Desenvolvimento de Software e Gestão de Projetos e Pessoas em empresas de diversos ramos e tamanhos. Apaixonado por empreendedorismo, inovação, startups e gestão empresarial. Tem como missão ajudar o máximo de pessoas possível e construir uma poderosa rede de transformação social, mercadológica e econômica.