Coleta de dados e privacidade. Duas coisas que andam se desconectando e, em 2013, proporcionaram reflexões sobre o estudo e análise do comportamento do consumidor utilizando os meios digitais. Empresas e marcas monitoram e a utilizam as informações para filtrá-las e tentar personalizar cada vez mais os produtos e serviços para seus consumidores. A questão é: até que ponto o comportamento deve ser codificado para o um bom planejamento de comunicação?

A empresa global de pesquisa de tendências de consumo Trend Watching, publicou o seu último relatório intitulado “7 Tendências de Consumo para Aplicar em 2014” e dois deles se entrelaçam com a questão apontada: CrowdShaping e No Data. No relatório, todas as outras tendências são relevantes para este ano com absoluta certeza, contudo esses dois apontamentos implicam na resposta que queremos.

O artigo falando sobre CrowdShaping (Formatação das Multidões) refere-se exatamente ao fato dessa otimização do produto e serviço de uma marca para o consumidor de maneira coletiva: a partir dos rastros deixados pelas pessoas no ambiente online (como desejos e preferências visualizados através de cadastros, utilização de apps e até comentários nas mídias sociais), as empresas podem planejar suas ações em comunicação e geração de conteúdo, proporcionando experiências melhores para um grupo de pessoas, uma tribo que possui comportamento semelhante.

O artigo sobre o No Data vai um pouco na contramão de um dos assuntos mais comentados atualmente – o Big Data. Ele tráz dados e discussões pertinentes sobre o que os consumidores andam pensando da coleta de seus dados; o que as empresas estão realmente realizando de positivo para a melhoria da experiência de consumo dessas pessoas e o equilíbrio que deve haver nesse processo para não ferir essa privacidade.

E esse é, sem dúvida, o principal detalhe para entender o que a coleta de informações online traz de bom para os planners e se isso é o que mais importa.

Para um planner, o que não pode ser deixado de lado nunca é o contato com as pessoas e com o negócio – produto ou serviço – presencialmente, ao vivo e a cores. Para um bom planejamento de comunicação, é extremamente relevante o processo de conhecimento do consumidor pelas suas preferências e desejos offline também. Uma pesquisa netnográfica é relevante nos dias de hoje porque temos internet. E os motivos ou fatores do “sem internet”? Pergunte a um pesquisador netnográfico, por exemplo, se é somente a avaliação no ambiente online que consiste seu trabalho! Então, o comportamento codificado só deve ser totalmente relevante quando o offline parar de existir. Mas você acredita nisso?

banner clique
The following two tabs change content below.

Rafael Malhado

Publicitario
Publicitário formado pela Universidade Veiga de Almeida (RJ) e pesquisador em Estratégias em Comunicação pelo Grupo de Pesquisa CNPq "Qualidade em Comunicação" (UVA-RJ). É também Consultor de Planejamento Digital pela Estação Indoor - Audio Branding, apresentador do programa de comunicação Papo de Mídia e Palestrante.

Latest posts by Rafael Malhado (see all)