Falando de uma maneira bem simples, Big Data é o termo usado para designar uma coleção de dados, tão grande e complexa, que se torna difícil processar esses dados com as ferramentas de gerenciamento tradicionais.

Conforme a utilização das mídias sociais aumenta, a quantidade de informações geradas por redes sociais como Facebook, Pinterest e Twitter também aumenta consideravelmente. O conjunto crescente de informações gerado e armazenado por elas numa velocidade estrondosa pode ser considerado um exemplo de Big Data. Diante de tanta informação, a grande questão para os profissionais de marketing é: como identificar os dados mais relevantes e utilizá-los para tomar as melhores decisões? Para responder a essa pergunta, complexas plataformas de análise de dados têm sido desenvolvidas e as informações advindas do Big Data têm ajudado, entre outras coisas, a mudar a maneira como as estratégias de marketing são estruturadas para as redes sociais.

Apresentamos aqui seis transformações que o Big Data tem causado no marketing para as mídias sociais, segundo Michele Nemschoff – especialista em marketing digital.

Big Data exige controle de dados estruturados e não estruturados

Segundos os especialistas, 90% de todos os dados do mundo foram gerados nos últimos dois anos e apenas 20% destes dados estão estruturados, ou dispostos em colunas e linhas para que possam ser analisados de acordo com ferramentas tradicionais.

Os 80% restantes estão desestruturados; são imagens, vídeos ou posts que surgem das diversas redes sociais. Estes dados representam os interesses, opiniões e atividades das pessoas. Os profissionais de marketing que conseguem entender esses dados e desenvolvem estratégias com base nas informações dadas por eles, têm grande vantagem competitiva.

Big Data permite mensagens mais personalizadas e direcionadas

A análise dos dados permite que os profissionais de marketing identifiquem tendências importantes em seus mercados de atuação. Assim, eles podem criar conteúdo personalizado e altamente customizado para seu público alvo. Com isso, conseguem melhores resultados, pois as pessoas respondem melhor às campanhas qualificadas que vão ao encontro daquilo que elas gostam, compartilham e falam a respeito.

Big Data permite que os profissionais de marketing identifiquem comportamentos futuros

Anteriormente, o comportamento era previsto com base no histórico do comportamento dos consumidores, como informações sobre downloads, cliques e sites visitados. Mas infelizmente a quantidade de dados observados nem sempre era suficiente para que as previsões fossem corretas.

Agora, os profissionais podem coletar dados a partir de um grande número de fontes, principalmente aqueles vindos das redes sociais. Assim, podem descobrir padrões para prever com mais precisão os comportamentos de compra. Além disso, esses insights que surgem da análise dos dados podem ajudá-los na criação de novos produtos e serviços.

Big data rompe dados demográficos do público e foca na individualidade

Anteriormente, os consumidores eram classificados de acordo com dados demográficos, como geografia, estado civil e idade. E acreditava-se que clientes pertencentes à mesma categoria tinham comportamentos semelhantes. Agora, com a grande quantidade de dados fornecida pelas redes sociais, é possível aos profissionais de marketing se concentrarem em ações de marketing one-to-one.
Além disso, através da análise de grandes volumes de dados, as pessoas podem ser classificadas de acordo com suas preferências ou comportamentos semelhantes.

Big Data permite que sejam realizadas campanhas de testes virtuais

Campanhas de marketing podem, agora, ser testadas em um mercado virtual através de simulações, graças a grandes volumes de dados. Campanhas virtuais são analisadas ​​utilizando dados do mundo real, em tempo real. Isto é muito mais barato e mais seguro do que quando os testes são conduzidos diretamente no mercado. Além disso, é possível medir o sucesso de uma campanha desde o seu lançamento.

Big Data permite que os dados de mídias sociais sejam democratizados

A democratização dos dados de mídias sociais é possível graças a plataformas de baixo custo de armazenamento em nuvem, tais como Apache Hadoop. Isso permite que o Big Data seja utilizado por qualquer empresa e não apenas pelas grandes. Como as ferramentas de análise de dados possuem preços bastante razoáveis, até mesmo as pequenas empresas podem ​​fazer a melhor análise de seus dados e com isso ter informações mais adequadas para estruturar sua estratégia de marketing e ganhar uma vantagem competitiva sobre a concorrência.

Vale lembrar que, embora uma das promessas do Big Data seja permitir que as empresas tomem decisões mais certeiras e mais rápidas, os dados não falam por si só. Conforme, Mario Faria – especialista em Big Data – em entrevista para a Revista Exame PME, os dados são capazes de prever comportamentos e encontrar novas soluções para velhos problemas, mas só a intuição e a criatividade podem gerar ideias de como colocar tudo isso em prática.

Erica Ariano

banner clique
The following two tabs change content below.

Erica Ariano

Apaixonada por tudo que é futurista e único, sofre de curiosidade latente e desprendimento de convenções. É consultora de marketing, especialista em mídias digitais e palestrante. Sua porção engenheira a faz ser louca por neurociência, por isso estuda o assunto e escreve sobre ele aqui também.