Os dois lados da moeda: Apple e os iPhones 5c e 5s

Os dois lados da moeda: Apple e os iPhones 5c e 5s

Não se fala em outra coisa. Desde ontem, os feeds de notícias de todos nós estão lotados de links, reportagens, comparações, opiniões e memes sobre a Apple e os iPhones 5c e 5s.

Ao contrário de anos atrás (e não é só porque Steve Jobs morreu, ou é?), onde até o dia do lançamento eram raras as preliminares do que veríamos na keynote, o evento de ontem teve mais confirmações do que se previa pela web do que novidades de fato.

10-iphone5s_coresSobre o iPhone 5s, as grandes alterações foram nos processadores e na performance, que comparada ao primeiro iPhone, é 40x mais rápida, prova da evolução da tecnologia. O botão home (que diga-se de passagem, é feito de cristal de safira) agora conta com um leitor biométrico, o Touch ID, e além das cores, do flash duplo, a ~grande novidade~ foi a mudança nas consoantes dos nomes dos dispositivos, que agora são minúsculas. Brincadeiras a parte, a surpresa foi o componente M7, um processador exclusivamente voltado para movimentos (o que deixa no ar uma possível dica para a chegada do iWatch, o relógio inteligente da maçã ou algum outro weareble gadget).

O tal iPhone de “baixo custo”, não chegou tão baixo assim. Com uma diferença de apenas US$100,00 em relação ao 5s e as muitas cores e cases deixam claro o dilema que a Apple vive: Ganhar o mercado asiático e a redução de custos, visando maior lucro. Como assim?

O até então “top de linha” da maçã, iPhone 5, será descontinuado, mas estará nos bolsos dos usuários do iPhone 5c, pois terá o mesmo hardware, com a diferença de ser mais “divertido e colorido”, conforme Phil Schiller (vice-presidente sênior de marketing) disse. Porém esse é um ponto interessante. O valor dele continuará praticamente o mesmo do 5, mas agora será feito com plástico, o que pelo menos na teoria, reduz o custo consideravelmente em relação ao alumínio.

Sou fã de Steve Jobs, tenho alguns iGadgets, acompanho a Apple a bons anos e vejo que a “Era Tim Cook”, tem um mantra um pouco diferente da “Era Jobs”. Não que esse mantra esteja errado, mas observo que a Apple que deixou uma marca no universo, agora quer deixar uma marca na maior fatia possível do mercado (mesmo que para isso tenha que colorir modelos reciclados e até ser motivo de piadas  feitas pela concorrência). O que vocês acham desse tipo de estratégia?

A Apple irá realizar mais alguns eventos ainda esse ano, e esperamos ouvir o famoso “One More Thing”…

Arthur De Castro

0

Arthur Castro

Respira Mobile e inovação. Sempre conectado com algum iGadget, é exemplo vivo dessa geração "alguma letra". Além de escrever aqui e em outros blogs, é palestrante e passa os dias criando apps.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *