Buscar um diferencial na comunicação vai além de criar um slogan com alto impacto.

Para a tristeza de muitos publicitários, as pessoas não entram na internet, leem jornal ou assistem TV para ver o seu genial anúncio. Elas procuram entretenimento, informação, distração. A propaganda aparece como interrupção, intromissão. E é por isso, aliás, é especialmente por isso, que ela deve ser criativa e diferente. 

Para a tristeza de muitas marcas, as pessoas não querem saber se ela tem o melhor atendimento, ou está no mercado há mais de 30 anos, por mais sincero que isso seja. O que as pessoas querem saber é: o que isso vai fazer de diferença para a minha vida? 

O que todos precisam entender, é que os anunciantes não querem saber se será o comercial ganhador de prêmios, e sim se a ideia vai “pegar”, vai vender. 

criatividadeBuscar um diferencial na comunicação vai além de criar um slogan com alto impacto. Vale seguir a dica de Leo Burnett: “Faça simples, memorável, que queiram ver e que seja divertido.” E é nesse momento que entra o planejamento criativo. Não é aquele planejamento que coloca as ações num cronograma e diz que em maio precisa criar campanha para o dia das mães e em dezembro campanha para o Natal. É o planejamento que vai tornar uma boa estratégia mais humana.

Essa estratégia deve buscar o diferencial, o posicionamento, que vai buscar o insight conversando com o consumidor, conhecendo o produto e a marca e, através disso, encontrar a verdade da marca. Aquela verdade que a Pepsi encontrou quando assumiu que entra no ‘Pode ser’ e não como primeira opção. Criativo e sincero. 

E para convencer a tal a sua marca a assumir isso? Mesmo que ela não esteja entre os principais anunciantes nacionais, ou na preferência dos consumidores locais, utilize os seus recursos a seu favor. Afinal, no mundo ideal temos pesquisas, verbas, relatórios, etc. No mundo real, temos cabeça, braços, pernas, repertório. Mesmo assim, vale a pena fazer.

Vale a pena bater perna e conversar com as pessoas, entender o que elas pensam sobre determinado assunto, sobre o seu produto, sobre um determinado comportamento. Anote, filme, fotografe, observe a expressão das pessoas. 

Use o que estiver ao seu alcance para convencer. Se for display, embalagem, faça um protótipo, faça circular entre as pessoas, ou no meio da reunião. Se fizer um storyboard, utilize locuções, trilhas. Envolva! Se preciso, use gráficos, ou malabares. Mas use se você estiver convencido da ideia, e não apenas para convencer. 

E publicitários, seguindo a dica que ouvi do criativo e premiado planner Fernand Alphen, “Desçam de suas naves de computadores e fones de ouvido e vão conversar com seus clientes. Conheçam as pessoas. É para elas que a coisa toda deve ser verdadeira e fazer sentido.” 

Receber novos artigos por e-mail!

banner clique
The following two tabs change content below.
Diretora de Planejamento da i9 Comunicação e Inovação, co-founder da co-Event.co, atuou como Account Manager da YDreams Brasil. Colunista do blog Ideia de Marketing, co-organizadora do TEDxPortoAlegre, TEDxCuritiba e Startup Weekend no Paraná. Em constante estudo/prática nas áreas de planejamento criativo, gestão do conhecimento, empreendedorismo e inovação.