O objetivo da campanha tem que ser claro , o que permitirá escolher a melhor estratégia.

Grande parte das empresas já percebeu a importância de adicionar as redes sociais à sua estratégia de marketing. Nelas, as empresas se aproximam do consumidor, recebem retorno sobre suas ações e podem influenciá-lo a divulgar sua marca e seus produtos a amigos e conhecidos. Hoje todos querem estar na internet, mas nem todas as empresas se preparam adequadamente para isso. Incrível é que essa frase vale ainda para grandes empresas também.

Participo de uma grande comunidade no Facebook. Acostumada a trabalhar com pequenos e médios empresários, me cadastrei para entender melhor como as grandes empresas trabalham as redes sociais no Brasil e, recentemente decidi acompanhar uma de suas promoções desde o início. Grande foi minha surpresa. As regras eram muito complicadas e existia um regulamento para ser lido. O critério para ser o vencedor e ganhar o prêmio, era ter a sua foto com o maior numero de curtidas. Curtidas essas que deveriam marketing-digitalocorrer apenas no álbum da fan page. Se o participante compartilhasse a sua foto para seus amigos (normalmente o que as empresas querem que aconteça) e eles a curtissem no compartilhamento e não no álbum, não eram computados. Obviamente muitas pessoas reclamaram e, alguns participantes até saíram da página. Agora essa mesma comunidade está em nova campanha do Dia das Mães e, aparentemente, não houve aprendizado com a campanha anterior. Acabo de receber um e-mail com informações de que em consideração aos relatos de descontentamento com a forma de escolha dos vencedores, os critérios de julgamento serão mudados e a frase vencedora será escolhida por uma comissão julgadora, de acordo com o item X do regulamento. Acredito que descontentar participantes nunca foi o objetivo, mas, através disso, fica claro que as campanhas realizadas nas redes sociais por essa empresa não são tão bem planejadas como as que são veiculadas por ela em outros meios de comunicação.

Empresas que se dedicam a estratégia de marketing digital com a mesma atenção e cuidado que aplicam às outras estratégias de comunicação têm resultados bastante diferentes desse e muito mais positivos. O case da IKEA para o lançamento de sua nova loja, em Malmo, Suécia, é um exemplo disso. A ideia da empresa era fazer com que o maior número de pessoas soubesse sobre o lançamento da nova loja. Para isso, seus profissionais decidiram utilizar uma ferramenta bastante popular do Facebook – a marcação em fotos. Para essa campanha, a IKEA criou um perfil para o gerente da loja, Gordon Gustavsson, e não uma fan page como se costuma fazer. Durante duas semanas, a empresa fazia o upload de fotos com móveis e produtos da loja em seu álbum e a primeira pessoa que fizesse a marcação de seu nome na foto, ganhava aquele produto. Logo, a notícia sobre a nova loja e a possibilidade de ganhar presentes da IKEA se espalhou rapidamente. O número de pessoas querendo se tornar amigos de Gordon Gustavsson cresceu consideravelmente e, paralelamente a isso, as pessoas encantadas com os produtos da loja se cadastravam espontaneamente no site e na comunidade da empresa no Facebook. Por ter sido uma campanha extremamente inovadora e criativa, também foi divulgada em diversos outros canais como sites, blogs, TVs e espalhada pelo Twitter, sem que pra isso, a IKEA precisasse tomar qualquer nova atitude.

É possível tirar alguns ensinamentos desses dois cases:

  • Planejamento de marketing digital adequado é importante para cada ação realizada nas redes sociais. A IKEA fez esse planejamento e por isso teve resultados positivos.
  • É importante ter profissionais especializados para fazer esse planejamento. Na IKEA o planejamento foi realizado por profissionais de marketing focados em redes sociais e que entendiam a dinâmica do Facebook. 
  • O objetivo da campanha tem que ser claro , o que permitirá escolher a melhor estratégia. No caso da IKEA o objetivo era  divulgar a nova loja. Ela não buscava outra coisa além disso. O aumento do número de pessoas no site e na comunidade foi consequência da utilização de uma estratégia correta para a divulgação.
  • As campanhas devem ser mais simples possível e, é preciso que se remova delas qualquer complexidade. A IKEA não apresentava grandes regulamentos e não solicitava sequer que as pessoas compartilhassem a foto ou qualquer informação sobre a nova loja. Seus profissionais sabiam que a marcação dos nomes nas fotos já faria a divulgação por si mesmo.
  • A criatividade nas redes sociais compensa, pois permite atingir outros meios de comunicação sem a necessidade de novos investimentos. Quando as empresas apenas repetem o que as outras estão fazendo, essa visibilidade não aparece.
  • Uma campanha no Facebook pode ser criativa utilizando ferramentas bem simples. 
  • Ações nas redes sociais trazem muitos benefícios quando trabalhadas com a atenção e a dedicação necessárias.
  • É importante dar aos participantes a oportunidade de ganhar algo por ajudarem na divulgação da marca e dos produtos, mas é primordial que eles façam isso espontaneamente e não sintam-se usados pelas marcas a ponto de ficarem descontentes com os procedimentos adotados por elas.

Percebe-se, portanto, que o descaso com as redes sociais ganha força quando os empresários entendem marketing digital apenas como ferramenta para “estar na internet”, ter uma página no Facebook, um perfil no Twitter, fazer alguns sorteios, ou premiar pessoas. Marketing digital é muito mais do que isso. As empresas que já aprenderam como trabalhar suas estratégias nesse “novo” marketing têm conseguido ótimos resultados e saído na frente. É muito importante que os empresários em geral se atentem para isso, afinal, em se tratando de mercado, quem aprende primeiro, pode ir mais longe e quem se dedica mais, consegue a melhor parte.

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

Erica Ariano

banner clique
The following two tabs change content below.

Erica Ariano

Apaixonada por tudo que é futurista e único, sofre de curiosidade latente e desprendimento de convenções. É consultora de marketing, especialista em mídias digitais e palestrante. Sua porção engenheira a faz ser louca por neurociência, por isso estuda o assunto e escreve sobre ele aqui também.