Furacão Sandy versus Internet

Furacão Sandy versus Internet

Há mais ou menos duas semanas recebemos a notícia de que teríamos um dos furacões mais fortes da história aqui em Nova York. Prefeitos e governadores alertaram sobre os perigos de continuar nas regiões costeiras e até mesmo disponibilizaram mapas especiais com as zonas que deveriam ser evacuadas.

As redes de televisão só falavam sobre a aproximação da “Frankenstorm” e davam dicas sobre “como sobreviver a um furacão”. A partir daí começou um zumbido no Twitter e aquele burburinho no Facebook. Na segunda-feira, 29 de outubro, pouca gente se arriscou a sair de casa. E todo mundo sabe o que acontece quando se é obrigado a ficar em casa e a internet ali, chamando…

Como praticamente tudo que cai na rede, o Furacão Sandy virou uma das piadas favoritas dos americanos e dos brasileiros, já que a Sandy que conhecemos não tem lá muito a ver com as características de um furacão, não é?

Ruídos na informação

As piadas realmente foram ótimas, mas quando você está procurando por informações sobre um evento desse porte, elas podem realmente atrapalhar. Você provavelmente deve ter visto esta foto aqui embaixo. Sabia que ela é uma montagem? Não é nem preciso dizer que muita gente ficou apavorada em ver essas nuvens tão perto da costa.

fake furacão sandy

Outro problema é quando a piada interfere no trabalho das equipes de resgate. Um exemplo bem interessante disso é do prefeito Cory Booker, de Newark (New Jersey). Ao contrário da maioria dos políticos no Brasil, o prefeito Booker realmente entendeu o uso das mídias sociais como ferramenta de apoio à população e não como uma forma de se autopromover ou criar polêmicas gratuitas.

Cory Booker

O perfil do prefeito Cory Booker é atualizado constantemente com informações sobre a reconstrução da cidade, respostas de dúvidas e principalmente o atendimento imediato a quem pediu ajuda. Em momentos assim, fazer piadas só vai criar ruído e fazer com que o socorro demore ainda mais para chegar. A Nana Gouvêa que o diga…

O desespero na Newsfeed

Na noite de segunda-feira, quando o Furacão Sandy “aterrisou”, milhões de status de Facebook falavam sobre o assunto. Todo esse volume de menções transformou o Hurricane Sandy no segundo tópico mais falado do Facebook em 2012. Assista ao vídeo que o pessoal do Mashable fez sobre isso:

Na terça-feira, os termos mais publicados foram “Está tudo bem”. Quem continuou com luz, internet e aquecimento agora enfrentava a maratona de responder as perguntas de parentes e amigos. Nunca um fenômeno natural movimentou tanto a internet.

Go mobile

Como muita gente ficou sem energia, a alternativa era recorrer aos smartphones para receber notícias. Ainda que o consumo de bateria suba muito, é incrível ver como todo mundo está se ajudando. Quem tem um gerador ou não foi atingido pela queda da eletricidade logo disponibiliza réguas e réguas com tomadas para que as pessoas possam carregar seus celulares.

O mercado de aplicativos já anda em alta sem precisar de nenhum furacão para dar impulso. Agora imagine a quantidade de informação que corre em aplicativos especializados em monitoramento meteorológico e, ainda mais visados, os aplicativos de redes de notícias. A NBC lançou sua central de notícias relacionadas ao clima para smartphones e tablets.

De certa forma, pode-se dizer que a cobertura do Furacão Sandy foi feita de maneira colaborativa e a participação do Instagram, assim como as outras plataformas, foi crucial para isso. São mais de 779 mil fotos postadas com a tag #sandy e centenas de milhares de outras tags relacionadas ao furacão.

Se você seguir as tags, vai ver que existe muita história para ser contada e que sem dúvida alguma não caberiam em posts. As narrativas que as pessoas criaram sobre os efeitos da passagem do furacão são extensas e complexas. Basta saber juntar os pontos e você vai ter uma cobertura exclusiva e especial.

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

Luisa Barwinski

Jornalista, especialista em Marketing e Novas Tecnologias em Jornalismo, anda pela internet desde os idos de 1997, quando os modens ainda “cantavam” na hora de conectar. O que realmente prende a sua atenção é o conteúdo e as suas estratégias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *