Diante de tantos grandes exemplos  e de boas empresas que a teoria tem mostrado nos últimos tempos, é até difícil acreditar que ainda existem empresas que pensam tão “dentro da caixa” e retrogradamente que não conseguem acompanhar a evolução das pessoas e do mercado. Pois bem, esse tipo de empresa ainda existe e é mais comum do que pensamos e talvez, ainda demore algum tempo para que entendam a importância da implantação de alguns princípios básicos para manter-se ativa e em expansão no cenário mercadológico.

A nova Gestão de Pessoas, o  Endomarketing e a Comunicação Interna, por exemplo, são práticas de extrema importância e diferencial competitivo. Esses setores deveriam ser estruturados como passos iniciais do plano de negócios de qualquer empresa de qualquer segmento. 
Grandes empresas já perceberam que o sucesso dos negócios depende sim das pessoas que estão envolvidas nele, e isso inclui TODOS os colaboradores, o que faz com que o setor de Endomarketing tenha mais força e credibilidade. Porém ainda existem empresas que não pensam dessa forma e se recusam a investir na qualidade de vida e na mudança de percepção de trabalho dos colaboradores.
E por que existem empresas que não acreditam em pessoas? Organizações muito tradicionais e com estilo de liderança autocrática não conseguem entender as vantagens do Endomarketing e das novas formas de gestão. Dividirei em tópicos alguns motivos que levam empresas a não apostar no Endomarketing, dificultando a prática da valorização do cliente interno:

LIDERANÇA CENTRALIZADA

Quando esse tipo de liderança predomina nos corredores da organização dificilmente algum setor terá liberdade de tomar decisões para otimizar a gestão. Existe apenas um líder central que fixa as diretrizes e não permite qualquer participação do grupo nas tomadas de decisão.

GESTÃO VOLTADA PARA ERA INDUSTRIAL

Gestores despreparados e com a mentalidade fixada na era industrial encaram funcionários como recursos de operação, ou seja, o funcionário é visto apenas como uma máquina e “desde quando máquinas são valorizadas pelos esforços que fazem para concluir uma determinada tarefa? A máquina foi paga para trabalhar e o funcionário para realizar suas obrigações.” Infelizmente discursos do tipo ainda são ditos e ouvidos em muitas linhas de produção e em salas de reunião desmoralizando e diminuindo o colaborador.

O COLABORADOR É VISTO COMO ADVERSÁRIO

Com tantas mudanças comportamentais e mercadológicas o capital humano tem sentido a necessidade de buscar especializações e melhorias profissionais. Esse ponto deveria ser comemorado e valorizado em 100% das organizações, porém esse fator algumas vezes é visto como ameaça por quem assume cargos mais altos. Proprietários autocráticos, centralizadores e retrógrados  temem funcionários pensantes e por isso evitam investir em capital intelectual. (Parece mentira, mas não é!)

O TÃO CONHECIDO MEDO DA MUDANÇA

“Não se mexe em time que está ganhando”,  “nunca precisei gastar com funcionário para trazer lucro”, “eles não estão fazendo nada além da obrigação”. Essas são algumas das famosas frases ditas por  brilhantes “líderes” e proprietários de empresas. Infelizmente o medo de mudar é algo que assola grande parte dos seres humanos e se estende ao mercado de trabalho. O Endomarketing é um conceito novo e está se fortalecendo cada vez mais, porém para empresas mais tradicionais e com a cultura organizacional direcionada ao passado dificilmente assumirão que investimentos e atenções focadas no capital humano poderá alavancar e diferenciar os negócios.
Não se permita ficar preso no passado. As mudanças estão ocorrendo a todo instante e ficar estagnado no comodismo pode prejudicar sua empresa. Busque novos conhecimentos, atualize-se com o que há de melhor para o seu segmento e priorize pessoas, são elas que transformarão sua empresa em algo encantador.

QUERO RECEBER NOVOS ARTIGOS POR E-MAIL

Mariana Melissa

banner clique
The following two tabs change content below.

Mariana Melissa

Gestora de pessoas e Coordenadora de projetos at Ideia de Marketing
Graduada em Marketing e Gestão de Recursos Humanos, é apaixonada pela arte da escrita e pelas relações pessoais. Já trabalhou com comunicação interna, redação e marketing. Atualmente é Gerente de Projetos na agência Target Mais e está a frente dos projetos internos do Ideia de Marketing atuando como gestora de pessoas e conteúdo. marianamelissa.s@gmail.com