Você trocaria a marca da embalagem de seu produto por 150 nomes populares de pessoas?

E se sua marca já tivesse 125 anos, então?

Pois é, uma estratégia ousada como essa não é para qualquer marca, e a em questão é uma das que mais trabalham no seu fortalecimento de forma emocional, a Coca-Cola.

A marca estava com um problema: 50% dos adolescentes e jovens adultos na Austrália não tinham tomado a bebida naquele mês.

E era preciso ir além do aumento de vendas. Com a mudança na forma de se comunicar, a marca queria “resgatar as conversas reais” e inseri-las novamente no cotidiano das pessoas, levando em conta ainda a importância de ações que reforçassem a presença digital .

Para isso, a Coca-Cola convidou as pessoas a compartilharem a bebida uma com as outras a partir do nome estampado na garrafa (vejam a ação no vídeo no final do post). Alguns dos resultados: 870% de aumento de tráfego no Facebook e aumento de 7% das vendas entre jovens adultos. Uma estratégia super ousada (além de genial) e que me levou a pensar o seguinte: quantos cursos ou universidade precisamos cursar para chegarmos a ideias como essa?

Acredito que a resposta seja óbvia, nenhuma. Ideias como essa vão além de conhecimentos acadêmicos. É preciso entender de pessoas, ter a sensibilidade necessária para saber o que irá fazer com que elas se sintam bem, importantes, ir além do “vamos nos colocar no lugar dos consumidores” e partir para o “vamos nos colocar no lugar de pessoas”. Claro, a teoria nos dá suporte para estruturar nossas ideias, mas sem dúvida, teoria sem paixão não é nada, você não acha?

‘Share A Coke’ from Work For Awards on Vimeo.

A notícia e inspiração veio do Da Vinci.

Acredita que somente pessoas são fator de mudança. Fundador e Gestor do Ideia de Marketing, é consultor em marketing e branding.