Sabe aqueles gráficos que aparecem no tira-teima durante um jogo de futebol? E durante o “show do intervalo”, quando surgem latinhas de cerveja que interagem umas com as outras; e um carro que atravessa o gramado transformando-o em um traçado off road, cheio de rachaduras e lama pra todo lado? Ou simplesmente quando os escudos dos times são aumentados sob o campo? Então, é tudo realidade aumentada, sabia?

A tecnologia não é nova – o termo foi inventado em 1990, porém antes disso já existiam experiências e estudos semelhantes –, e trata-se basicamente da integração de informações virtuais a visualizações reais, envolvendo realidade virtual a elementos reais, criando assim um ambiente misto em tempo real. Câmeras reconhecem informações impressas em códigos, que acionam programas, criando então ilusões em 3D que são reproduzidas na tela, tanto do computador quanto do celular (além de consoles com dispositivo Kinect, como o Xbox e o Nintendo 3DS).

O crescimento da venda de tablets e, principalmente de smartphones – que atingiu 70% no último ano – contribui ainda mais para a popularização desta tecnologia. Hoje, com aplicativos para iOS, Android e Symbian é possível interagir com a realidade aumentada.

Assim, gôndolas de supermercado, shoppings, parques, aeroportos, museus, jornais e revistas, bibliotecas, e até terraço de prédio transformam-se em plano de fundo para ações com esta tecnologia:

A realidade aumentada é tendência pros próximos anos. Cada vez mais veremos a mesma tecnologia sendo utilizada, porém de maneira mais complexa com maior interação dos usuários, criando assim novas experiências:

Live Augmented Reality for National Geographic Channel / UPC from Appshaker Ltd on Vimeo.

Ainda com dúvidas sobre realidade aumentada? Segue um vídeo da coluna Conecte, do Jornal da Globo – diga-se de passagem é uma coluna de telejornal que vale muito a pena acompanhar:

banner clique